Oração e trabalho

Padre Geovane Saraiva*
No dia 11 de julho a Igreja comemora São Bento. Bento quer dizer bênção, bendizer, abençoar. Bênção é considerada como uma manifestação da força divina e passa de pai para filho, pela palavra transmitida e mesmo pelo gesto das mãos. Olhemos para Jesus, ao chamar para si as crianças, abençoando-as (cf. Mc 6, 41). É nesse sentido que devemos olhar para São Bento, que nasceu em Úmbria, na Itália (480-547). Estudou na cidade eterna e tornou-se uma figura humana extraordinária, que marcou e influenciou em profundidade os destinos da humanidade, ao escolher o Senhor por sua herança e taça, consciente de que lhe coube por sorte uma boa parte; sim, o mais belo e maravilhoso: a eternidade (cf. Sl 15, 5).
Mosteiro de Subiaco
São Bento vai para a gruta de Subiaco, reunindo um grupo de fiéis seguidores, com o desejo de viverem a partir do Evangelho, fazendo uma rica experiência do amor de Deus, indo mais tarde para o Monte Cassino. Não existiam até então na Europa, ao contrário do Oriente, instituições com uma força mística dessa natureza. São Bento, na busca da perfeição e do absoluto de Deus, sentiu-se inspirado e motivado para a contemplação e o tempo de solidão naquela gruta o favorece como lugar  apropriado e sagrado. Subiaco foi preciosíssimo e fundamental no seu projeto de vida, à luz da Palavra de Deus. Ele deixou para trás sua casa, seus bens e sua família, com uma única vontade: a de experimentar e fazer a vontade de Deus, buscando um estilo de vida e de santidade, pela oração e pelo trabalho, que escolheu como lema: “Ora et labora”.
Mosteiro do Monto Cassino
O Monte Cassino foi o local sagrado e de fato próximo da glória de Deus. Lá construiu o célebre mosteiro e escreveu a sua regra de vida, difundida em muitos países da Europa, valendo o título de Patriarca do Monaquismo do Ocidente. No cume de um lugar santo e abençoado, lugar de Deus (cf. Mt 5, 1ss), edificou o mosteiro, considerado centro de irradiação da vida monástica, da contemplação, da oração e da meditação, e realizou o sonho ideal da vida consagrada, vivendo em comunidade a boa-nova de Deus, sob o comando de um mestre espiritual: o abade. Esse jeito de viver cresceu de tal modo que duzentos anos mais tarde a regra de São Bento vigorava em toda a Europa, eliminando praticamente todas as demais formas de vida consagrada.
Convencidos de que São Bento é bênção e patrimônio para todos nós cristãos, que ele nos inspire, na nossa contraditória realidade, com seus desafios e exigências, a vivermos, a seu exemplo, nossa fé decorrente do batismo, conscientes de que somos chamados à ascese cristã, através do trabalho e da contemplação do mistério a nos extasiar e envolver, a encontrar Jesus, nosso Mestre e Senhor. Numa palavra, buscar com equilíbrio o sentido para a nossa vida, a partir do lema de São Bento de Núrsia: “Ora et labora”.
*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado