Projeto Meninos de Deus: esperança e luta para vencer a violência e as drogas

O objetivo do projeto é oportunizar crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade através de atividades que estimulam o crescimento social, intectual e apoio psicológico

Foto: Reprodução / Facebook
 
Foi através de um diagnóstico triste que nasceu o Projeto Meninos de Deus. Situado no Jangurussu em Fortaleza, um dos bairros mais violentos da capital, o projeto atende crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. Jovens que já passaram por algum delito ou que precisam de apoio e incentivo para não enveredarem no caminho das drogas e do crime.
 
De 2006 a 2008 foi realizado um estudo na comunidade Santa Filomena, que pertence ao Jangurussu. Na ocasião foram abordados 43 jovens, com idades entre 14 e 25 anos, já envolvidos com a criminalidade. Desse total, 36 morreram vítimas da violência, no intervalo de um ano. Mais de 80% desses adolescentes perderam a vida para o tráfico.
 
Diante dessa realidade surgiu o projeto Meninos de Deus. O objetivo é oportunizar crianças e jovens através de uma visão integral que inclui esporte, artes, cultura, diálogos sobre violência e apoio psicológico. 
 
Meninos de Deus
O projeto existe há 9 anos e conta com 42 voluntários, desse total 12 trabalham diretamente. Paulo Uchôa, coordenador do projeto, relata um pouco das atividades. “Todas as terças e quintas temos rodas de conversa, na ocasião procuramos motivar os meninos e mostrar um outro mundo, novas oportunidades... esse trabalho é fundamental para conhecer cada vez mais a realidade e procurar a melhor forma de direcionamento”.
 
São assistidas 140 crianças e adolescentes: 80 na comunidade Santa Filomena e 60 no bairro Novo Perimetral, com ênfase no trabalho de prevenção. O trabalho é realizado em parceria com a Visão Mundial, organização não-governamental humanitária que atua há 41 anos no Brasil. A Ong trabalha na organização e impulsão do corpo técnico (empresas e doadores), busca convênios e formaliza importantes parcerias para a realização das atividades.
 
Segundo o coordenador, a grande dificuldade enfrentada é a falta de profissionais voluntários. “Precisamos de mais psicólogos, assistentes sociais, pastores, padres, pessoas que possam oferecer lanches para os meninos”, informou Paulo, salientando que toda ajuda é bem-vinda.
 
Transformação
Um dos bons exemplos alcançados com o projeto é o de Roberto Rony, hoje ele faz parte da equipe de voluntários. “O projeto me deu uma direção, na época estava com muitos conflitos na minha mente, simpatizando com o crime, ele me proporcionou outra vida”, afirmou Rony. Hoje o voluntário está com 29 anos, casado e com muitos planos para o futuro, inclusive o de cursar uma faculdade e conseguir espaço no mercado de trabalho.
 
A artesã Valônia Cruz também contribui com o projeto. Mãe de dois filhos, viu o mais velho enveredar para o mundo das drogas com 15 anos. “Eu transformo a minha dor em trabalho voluntário. Ofereceram droga para o meu filho dentro da escola quando ele tinha dez anos e esse vício o tirou de perto de mim. Ele não consegue sair desse mundo. Eu trabalho para que outras mães não passem pelo o que eu passo todos os dias na esperança de ter o meu filho de volta", relatou Valônia emocionada.
 
Serviço
Projeto Meninos de Deus

Boa Noticia

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado