Tecnologia possibilita novos recursos de segurança

Um drone sobrevoa uma grande cidade. O céu está azul claro, com algumas nuvens. Abaixo, é possível ver muitos prédios e algumas montanhas esverdeadas. O drone é branco, com quatro hélices na parte superior e uma câmera na inferior.Câmeras de monitoramento, sistemas de alarmes, automatização de portões, rastreamento e de veículos por satélite, entre outros recursos, estão cada vez mais sendo usados para segurança residencial e comercial. A motivação não é viver em pânico, mas sim viver em paz, unindo os serviços de segurança privada aos de segurança pública, além de cuidados básicos que, inseridos em nosso dia a dia, podem ser uma importante ferramenta de prevenção. Mas nenhum desses serviços seria possível sem um elemento: a tecnologia.
Assim como em áreas de saúde, educação, transporte, entre outras, na segurança a tecnologia também é uma aliada essencial. O poder de prevenção do tradicional “Sorria, você está sendo filmado” já demonstra a efetividade de um sistema de segurança. Já os avanços alcançados nos populares smartphones possibilitam o monitoramento remoto com uma interação em tempo real do usuário. Entender de quais serviços você realmente precisa em seu dia a dia, saber como usá-los e entender como eles podem ajudar é o caminho para o aproveitamento adequado do potencial da tecnologia ali aplicada.
De que você precisa?
Você está se sentindo mal de saúde e, por isso, vai a um médico. Lá, entretanto, em vez de deixar que ele o examine e prescreva os melhores tratamentos e remédios, você já afirma o que é melhor seu bem-estar? Não, não é mesmo?! Então, por que com segurança deveria ser diferente? A comparação é feita por Giuliano Loureiro, presidente da Servis Segurança, como forma de demonstrar a importância de analisar fatores diversos para a escolha de serviços de segurança particular.
"Fazemos uma análise da situação do cliente e propomos a solução. A empresa é como um médico, brincamos. Você não vai ao médico e diz ‘Doutor, eu vim aqui pegar o remédio X’. O médico vai examinar, pedir exames. Na realidade em que estamos hoje, precisamos realmente aprofundar para o cliente ter uma solução mais eficaz", explica.
Para essa avaliação, são analisados pontos como locais por onde o cliente passa em seu trajeto diário, estrutura física de iluminação que tem em seu negócio ou sua residência, controle de acesso e fluxo de entrada de outras pessoas nesses locais, rotina do usuário, entre vários outros. Além de diagnosticar quais serviços e recursos realmente podem ajudar o cliente, a empresa pode passar orientações de uso, bem como de precauções em atividade diárias que devem andar junto aos demais cuidados com segurança. “A ideia é aliar a tecnologia com o ser humano”, afirma Loureiro.
Tecnologia
Cada vez mais populares pelo mundo, os drones são pequenas aeronaves não tripuladas que têm sua origem no contexto militar. Com eles, é possível obter imagens aéreas a partir do controle remoto do equipamento, evitando, dessa forma, a exposição do usuário a potenciais riscos, além de captar imagens de um ângulo adicional. “Os drones são um exemplo de aonde a tecnologia pode nos levar, em termos de segurança para o cliente e também para nossos vigilantes”, destaca o presidente da Servis, que já dispõe do equipamento entre seus serviços.
Outro avanço no setor é a possibilidade da chamada segurança compartilhada. Aproveitando uma área com ampla instalação de câmeras pelas ruas, já é possível reunir todas as imagens captadas em uma única central. “Já conseguimos acompanhar sua chegada em casa sem necessariamente precisar de um vigilante lá para essa transmissão da imagem. A gravação da imagem, o próprio equipamento, hoje, já me dá um campo de visão maior”, detalha Loureiro.
Tudo isso, aliado ainda à tecnologia de guaritas blindadas e equipamentos de segurança dos vigilantes, proporciona um ambiente de trabalho mais seguro e maiores chances de sucesso de qualquer operação necessária.
Interação em tempo real
Segundo Giuliano Loureiro, um dos grandes desafios das empresas de segurança privada é o fato de que, muitas vezes, serviços do gênero podem ser menosprezados por sua eficácia só se comprovar em casos de alguma ocorrência. “A segurança fica muito como um pneu step do carro, você acha que não está funcionando nada até precisar. Mas com a tecnologia dos smartphone mudou isso”, conta.
Com o acesso remoto por meio de aplicativos, hoje o cliente pode acessar as imagens de seu sistema de segurança e sentir, em tempo real, a efetividade do serviço. “Na hora em que entra em casa ou sai, armou o alarme, se chegar algum funcionário na casa dele, ele vai saber. ‘Estão abrindo minha loja agora’. ‘Deixe-me ver como está o movimento na loja neste momento’. A tecnologia trouxe a possibilidade de todas essas ferramentas estarem nas mãos do usuário”, destaca o presidente.

O Povo

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado