Belchior: música, mistério e poesia

por Dellano Rios - Editor de Área
Image-0-Artigo-2286783-1
Belchior: cantor e compositor cearense é tema de biografia ( FOTO: CLEO VELLEDA/ FOLHAPRESS )
O embate em torno das biografias no Brasil, quando envolveu os figurões da MPB, passou a resumido na defesa de duas posições - de um lado, a reivindicação do direito à privacidade; de outro, o interesse público que justificaria estas incursões pela vida e obra de alguém. Havia, da parte de alguns, razões veladas e tacanhas, gente que se não queria este escritor ou aquele jornalista ganhando dinheiro às suas custas. Para esses, a intimidade e a trajetória artística eram produtos a serem preservados, para uma possível comercialização futura. Afinal, pode-se não ganhar muito com um livro, mas a coisa muda se for um filme, um sucesso de bilheteria que usa suas canções (e paga-se, também, por isso).
"Apenas um rapaz latino-americano", a biografia de Antonio Carlos Belchior, escrita pelo jornalista Jotabê Medeiros, prova de que uma biografia não é interessante apenas para o público, mas também para o artista (e, no caso de Belchior, para sua memória). Lançado pela editora Todavia, o livro permite ordenar uma história que ameaçava se converter em lenda.
Os fatos se diluiam em interpretações cada vez menos coerentes. O sumiço de Belchior, por uma década, proporcionava a distância e o desconhecimento necessário para que se pudesse falar dele da maneira que se desejasse. Não faltou quem fala-se pelo cantor e compositor cearense, dando razões para ele ter deixado tudo para trás e buscado uma vida reclusa, sem contatos com a família e os amigos de outros tempos. Um bloco de carnaval em Fortaleza resume a tese de quem viu, no ato de recusa, uma espécie de heroísmo, de tomada de posição de quem está farto de um mundo muito chato, carregado de problemas e loucura: "pelo direito de desaparecer".
Se o Belchior sumido deixava o espaço livre para um Belchior mítico e caricato se instalar em seu lugar, tampouco sua obra se beneficiava deste afastamento. Claro, suas canções foram "reaquecidas" e novas gerações passaram a cultuá-las. Regravações e shows tributos apareceram. Contudo, era difícil encontrar reedições dos discos, em CD ou vinil; e mesmo após sua morte, os serviços de streaming disponibilizavam apenas uma discografia incompleta e desorganizada, misturando álbuns de estúdio, coletâneas e registros ao vivo. Belchior não é um caso isolado, infelizmente. Se lá fora, é fácil encontrar obras de referência de grandes nomes da música pop, caixas especiais com as partes mais significantes de uma biografia, aqui predomina a cultura da coletânea, do resumo apressado da história.
Encantamento
O livro de Jotabê Medeiros é breve. São 250 páginas - as 200 primeiras com a história, complementada por caderno de imagens, índice onomástico (aquele que lista os nomes de pessoas, instituições, obras lugares e eventos citadas na obra), bibliografia e discografia.
Não se deve esperar a narrativa exaustiva, acadêmica e carregada de citações, como nos grossos tomos dedicados a figuras históricas. Jotabê Medeiros outro caminho. "Apenas um rapaz latino-americano" é um livro-reportagem, no qual é possível entrever os deslocamentos do autor em busca dos rastros de seu personagem. O texto é marcado por encontros, com gente que conviveu com Belchior - a figura complexa que inclui o homem, o artista e a lenda.
Honesto, Jotabê deixa claro, no prefácio, o retrato de Belchior que irá pintar, quais cores irá utilizar e que estilo seguirá. "Subvertendo a suposta objetividade de repórter, me vi recuperando todo dia o despertar de meu encantamento pelas palavras, ainda na adolescência", entrega o biógrafo no texto de apresentação.
A intimidade não é forçada. Jotabê confessa que Belchior é uma preferência musical antiga. "Sempre fui muito fã. Quando tinha 16 anos, eu morava em Curitiba. Tinha saído da casa dos meus pais, para viver às próprias custas S/A. Meu único bem era um toca fita de carros, adaptado, e três fitas: 'Desire', do Bob Dylan; 'A peleja do Diabo com o dono do céu', do Zé Ramalho; e 'Alucinação', do Belchior. Essa foi minha educação sentimental e tem um disco do Belchior na base dela", relembra.
Contextos
Jotabê Medeiros começa sua história por Guaramiranga, onde um jovem Antonio Carlos Belchior passou três anos no mosteiro. É uma escolha significativa (afinal, rompe um pouco com a cronologia tradicional, que recomenda que se parta da infância). O autor viu neste período pouco conhecido da trajetória de Belchior uma anunciação de muitas coisas pelas quais ele ficou conhecido. Entra a inclinação à contemplação e reflexão; e a reclusão, claro.
O fim da obra aborda outro período pouco conhecido, ainda que muito falado e fantasiado: a década de perambulação de Belchior e sua companheira, Edna Prometeu, longe de jornalistas, amigos, família e curiosos. A inspiração para esta parte da obra, entrega Jotabê Medeiros, é um clássico do jornalismo narrativo, o livro "À sangue frio", de Truman Capote. Ali, o autor norte-americano "biografa um assassinato". O mistério de Belchior não é sangrento, mas é radicalmente humano.
Do início ao fim, "Apenas um rapaz latino-americano" é uma obra que traz a marca do biografado sobre a escrita do biógrafo. Não é o caso do fã que presta um tributo exagerado, mas de alguém que assume uma forma de olhar semelhante à do ídolo. Ao falar de si, Belchior falava de si e do mundo. Jotabê faz algo parecido. Ele fala de um homem, para falar de muitas coisas: música, poesia, sucesso - e outros mistérios da vida.
Livro
Apenas um rapaz latino-americano
Jotabê Medeiros
Todavia
2017, 240 páginas
R$ 49,90/ R$ 34,90 (e-book)

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Mostra inédita de Paul Klee começa quarta-feira em São Paulo