Bibi Perigosa além da novela, agora em livro

por Pedro Rocha - Agência Estado
Image-0-Artigo-2283898-1
Juliana Paes como Bibi Perigosa, na novela "A Força do Querer": personagem foi construída a partir de relatos em biografia da Bibi da vida real
A história real que inspirou a Bibi Perigosa, vivida por Juliana Paes na novela "A Força do Querer", da autora Gloria Perez, chega agora às prateleiras das livrarias reeditada pela Novo Século - e já figura entre os livros mais vendidos. Em sua autobiografia, que não por acaso tem o título de "Perigosa", Fabiana Escobar retrata em detalhes o mundo do tráfico de drogas na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, onde foi apelidada de "Baronesa do Pó".
O apelido veio quando o então marido, Saulo de Sá da Silva, comandava o tráfico na região como o Barão do Pó. Fabiana e Saulo foram casados por mais de 10 anos, a maior parte deles sem qualquer envolvimento com atividades ilícitas, e o divórcio veio em 2010, já após a prisão (e a fuga) do "Barão". O livro, porém, veio ainda depois, com um empurrão da mídia e um conselho de Gloria Perez.
"Escrevi 'Perigosa' quando houve a ocupação da Rocinha, em 2011, após a exibição uma matéria sobre mim no Fantástico", conta Fabiana em entrevista ao Estado. "Comecei a sofrer ataques, me procuraram para questionar sobre tudo que aconteceu, e eu pensei que deveria responder a todos de uma vez, escrevendo no meu blog".
Incentivo
O conselho de Gloria Perez para que os relatos fossem transformados em livro veio quando a autora descobriu o blog de Fabiana, na época em que ainda fazia pesquisas para sua novela anterior, "Salve Jorge". Assim que a primeira versão do livro saiu, Gloria disse para Fabiana que a Globo entraria em contato, pois ela pretendia fazer uma minissérie baseada na autobiografia. A tal série não veio, por um motivo que Fabiana desconhece, mas a sua história agora é contada na novela.
"Está um espetáculo, a Juliana (Paes) mergulhou de cabeça na personagem", elogia sua intérprete, que estudou vídeos seus para incorporar a Bibi Perigosa da TV. "Quem me conhece e assiste à novela fala que nem consegue enxergar a Juliana, só vê a mim", diz empolgada.
Apesar desse livro autobiográfico, a escrita não foi novidade na vida de Fabiana, que redigia histórias para suas bonecas na infância. "Quando era adolescente, cismava que faria uma novela. Escrevia capítulos e dava para minha irmã e minhas amigas, que pediam mais".
Depois do sofrimento que passou, não só com Saulo, mas também com o primeiro namorado, na adolescência, um jovem líder do tráfico assassinado na favela, o processo de escrita não foi fácil.
"Nunca consegui reler, se começo, entro na história de novo e me emociono muito, nem identifico erros no texto". A função de revisar coube aos dois filhos e à sua mãe. Todos apoiaram a decisão de Fabiana de contar sua história. "Percebo que ficaram orgulhosos de mim, por transformar algo tão ruim em uma coisa boa".
Objetivo
Para Fabiana, o principal objetivo no livro, além de esclarecer, com suas próprias palavras, sua história de vida, é passar a mensagem de que é possível sair do mundo do tráfico, mesmo sem deixar a comunidade.
"As pessoas podem ver que é possível melhorar e dar uma virada na vida", diz a escritora, que até hoje ainda mora no morro - e sem medo. "Eles (traficantes) me veem. Não mexo com eles e eles não mexem comigo".
Empolgada, já prepara os próximos livros. "Vou lançar um infantil, uma história que inventei e que contava para meus filhos". Já outro, "Eternamente Juntos", é um romance com toques de ficção científica, para jovens e adultos. "Totalmente fora da realidade do morro".

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O STF é uma vergonha

Dom Aloísio em nossos corações

Papa Francisco sobre os direitos humanos: todos têm o direito de ser felizes

Além das aparências

Aluno cearense que criou app para conservação de açude recebe Prêmio Jovem Cientista