Pular para o conteúdo principal

CAGE FIGHTING

Grecianny Carvalho Cordeiro*

Quando pensei que já tinha visto de tudo; quando pensei que o ser humano já tinha atingido todos os limites da insensatez, deparei-me com uma nova descoberta do que o homem é capaz para se distrair e ganhar dinheiro: o cage fighting entre crianças.
            No livro Maré Alta, dos escritores suecos Cilla e Rolf Börjlind, encontrei informações sobre o cage fighting entre crianças, clandestino.
            Um dos personagens do livro, um ex-policial que vira um morador de rua, andando pelos subterrâneos de Estocolmo, se depara com jaulas de ferro (não octógonos) onde são colocadas crianças, duas em cada, seminuas, para lutarem uma contra a outra, até que uma delas seja a vencedora, mediante a plateia de considerável número de pessoas, inclusive dos pais dos digladiadores infantes. O vencedor, se ganhar a luta por algumas vezes consecutivas, receberá uma determinada quantia em dinheiro, decorrente das apostas feitas pelos expectadores.           

            Mas um MMA entre crianças? Crianças a partir de cinco anos brigando com outra, chutando, batendo, socando? E sob o incentivo e a supervisão dos pais?  
            Estima-se que três milhões de meninos e meninas pratiquem o cage fighting e, em muitas situações, sem sequer usarem luvas ou protetores para a cabeça. Porém, na internet, constatamos que muitas dessas lutas ocorrem em academias, em espaços semelhantes ao MMA dos adultos, com treinadores, árbitros, luvas e protetores.
            Nos Estados Unidos existem até campeonatos para esse MMA entre crianças. Sua popularidade é imensa. Em alguns estados americanos essa prática é proibida, ainda assim, os pais procuram uma maneira de colocar seus filhos de até seis anos para lutarem. Existem vários vídeos na internet mostrando essas lutas.
            E a controvérsia é grande entre médicos, psicólogos e outros profissionais sobre os efeitos físicos e psicológicos dessas crianças digladiadoras.
            Com tanto para se ensinar a uma criança, adestra-la para ser uma gladiadora me soa absurdo.


*Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …