EMPONDERAR

Grecianny Carvalho Cordeiro*

“Sabe que lugares ocupavam as mulheres nas Olímpiadas gregas? A primeira mulher, digo-lhe, ficou em 800.º lugar.
         “Sabe quantas mulheres há entre os primeiros cem jogadores de xadrez? Eu digo-lhe: nenhuma",
         "É claro que as mulheres devem ganhar menos que os homens, porque são mais fracas, mais pequenas e menos inteligentes”.
         Essas foram as palavras de um deputado polonês ao discursar no Parlamento Europeu, no início desse ano.
         O que esse deputado falou gera em nós um grande repúdio e indignação.
         O pior é saber que muitos homens – até mulheres- pensam assim.
         A diferença é que muitos apenas não externam seu pensamento.
         O desinformado deputado polonês desconhece, todavia, que nas olimpíadas do RIO, 45% dos atletas eram mulheres; em 2002, o maior enxadrista do mundo, KASPAROV, foi derrotado pela húngara JUDIT POLGAR.
         Mas, via de regra, os fatos não são favoráveis às mulheres:
         No Mercado de trabalho, poucas mulheres exercem cargos de liderança e recebem 30% a menos que os homens no mesmo cargo;
         O Brasil é o sétimo país com o maior registro de violência contra a mulher, no mundo.
         Nas eleições de 2014, a proporção da participação feminina na política brasileira ficou abaixo dos 30% estipulado como mínimo pela legislação eleitoral.
         Pelo IBGE, das 50 milhões de famílias (únicas e conviventes principais) que residiam em domicílios particulares em 2010, 37,3% tinham a mulher como responsável.     
         Estudos nacionais mostram que até 70% das mulheres já foram vítimas de violência física e/ou sexual por parte de um parceiro íntimo.
         Em julho de 2010, a Assembleia Geral da ONU criou a ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres.
         E o que é empoderar?
         É estabelecer liderança corporativa com igualdade de gênero; tratar todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não-discriminação; garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa; promover educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres; apoiar empreendedorismo de mulheres e promover políticas de empoderamento por meio marketing; promover a igualdade de gênero através de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social.
         Os desafios são enormes. Isso nunca foi novidade.
         Superar desafios sempre foi marca registrada da mulher ao longo dos tempos, em diversas civilizações.
         A luta continua.


*Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado