Há 10 anos a hashtag agita a internet

A 'hashtag', ícone das redes sociais, celebra nesta quarta-feira seus primeiros 10 anos de uso.
Em abril de 2014, o sequestro de 276 meninas estudantes na Nigéria pelo grupo radical Boko Haram desencadeou uma onda de apoio canalizada em #BringBackOurGirls
Em abril de 2014, o sequestro de 276 meninas estudantes na Nigéria pelo grupo radical Boko Haram desencadeou uma onda de apoio canalizada em #BringBackOurGirls (AFP)

A "hashtag", ícone das redes sociais, celebra nesta quarta-feira seus primeiros 10 anos de uso no acompanhamento dos grandes eventos mundiais com um efeito de mobilização e expressão de emoção e humor.
A palavra-chave precedida pelo símbolo do jogo da velha foi popularizada pelo Twitter antes de ser incorporada por outras redes sociais, como Facebook e Instagram.
A invenção foi de Chris Messina, designer americano especialista em redes sociais. Em 23 de agosto de 2007, o usuário intensivo do Twitter (já são mais de 39.500 postagens em 11 anos) propôs em um tuíte usar o jogo da velha para reagrupar mensagens sobre um mesmo assunto. Ele lançou, então, a primeira "hashtag" #barcamp, sobre oficinas participativas dedicadas à inovação na web.
125 milhões de hashtags diárias
O compartilhamento das palavras-chaves - que já são citadas 125 milhões de vezes por dia no mundo - já serviu de trampolim para mobilizações em massa.
Em abril de 2014, o sequestro de 276 meninas estudantes na Nigéria pelo grupo radical Boko Haram desencadeou uma onda de apoio canalizada em #BringBackOurGirls ("Tragam nossas garotas de volta"). Retuitadas por figuras como Michelle Obama, então primeira-dama dos Estados Unidos, e a celebridade Kim Kardashian, a "hashtag" chamou a atenção para a luta contra o Boko Haram num momento em que o exército nigeriano perdia terreno e o apoio da população frente aos insurgentes.
Outros slogans que tiveram grande efeito mobilizador foram o #BlackLivesMatter ("Vidas negras importam"), após a morte de vários cidadão americanos negros pela polícia, e #OccupyWallStreet ("Ocupem Wall Street", referente ao movimento que acampou no coração de Manhattan para denunciar os abusos do capitalismo.
#Emoção
As "hashtags" também permitem que as pessoas expressem sua emoção e solidariedade nas redes sociais. #JeSuisCharlie ("Somos todos Charlie") foi tuitada mais de 5 milhões de vezes em dois dias após o ataque terrorista à redação da publicação satírica Charlie Hebdo, que matou 12 pessoas, em 7 de janeiro de 2016.
#PrayforParis ("Rezem por Paris") foi tuitada mais de seis milhões de vezes após os ataques em novembro de 2015, que deixaram 130 mortos. O slogan inspirou, mais tarde, a "hashtag" #PrayforBerlin ("Rezem por Berlim") depois do atentado que matou 12 pessoas num mercado de Natal em dezembro de 2016.
Nos atentados da semana passada em Barcelona e Cambrils, com 15 mortos, a hashtag #Notincpor ("Não tenho medo") também viralizou.
#Humor
A "hashtag" também pode ajudar a dar boas risadas. Os vídeos do #IceBucketChallenge ("Desafio do balde de gelo"), em que o participante tinha que virar um balde de água gelada na cabeça, permitiu a arrecadação de 100 milhões de dólares para combater a doenaç de Charcot.
As "hashtags" humorísticas têm um grande êxito e tocam todos os temas, desde o clima, a figuras públicas, ou uma partida de futebol.
Em 2016, as mais compartilhadas no mundo foram relacionadas a eventos esportivos, como os Jogos Olímpicos (#Rio2016), a mais publicada, e Campeonato Europeu de Futebol, a Euro 2016, em quarto; a temas políticos, com as eleições de Donald Trump, em segundo, o Brexit, em sexto, #BlackLivesMatter, em sétimo, e #Trump, em oitavo; e ainda as de lazer, como o jogo Pokémon Go, em terceiro, o Oscar, em quinto, e a série "Game of Thrones", em décimo. A nona posição foi de #RIP ("rest in peace", ou "descanse em paz).

AFP

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado