Pular para o conteúdo principal

Livro "Na sala de aula" reúne análises de poemas, feitas por um dos gigantes da crítica brasileira

por Dellano Rios - Editor de área
Antonio Candido: Em cada um dos textos de "Na sala de aula", ele analisa poemas de autores luso-brasileiros, de contextos, escolas e estéticas distintos
Desde 2004, a editora Ouro Sobre Azul dedica-se à reedição das obras completas de Antonio Candido (1918-2017). Escritora e designer, Ana Luisa Escorel, a filho do crítico, é quem encampa a empreitada. As obras foram revistas e reordenadas pelo próprio autor.
Ao abranger toda a produção de Candido, a coleção reúne livros de referência, caso de "Literatura e sociedade", "Iniciação à literatura brasileira" e "O método crítico de Silvio Romero", editado mais de uma vez, alguns com reimpressões; e volumes menos afamados.
Dentre os títulos deste segundo tipo, encontram-se pequenas joias, capazes de empolgar não apenas os devotos do crítico. Recém-lançado, "Na sala de aula: Caderno de análise literária" é uma destas pedras preciosas. Originalmente publicado em 1985, pela Ática, o livro reúne seis textos, cuja origem remonta a experiências do autor como professor de literatura, em sala de aula. As primeiras anotações foram feitas no fim dos anos 1950 e por mais de 20 anos foram sendo transformadas no exercício docente de Antonio Candido.
Em cada um dos textos de "Na sala de aula", Candido analisa poemas de autores luso-brasileiros, de contextos, escolas e estéticas distintos. O conjunto assemelha-se, por conta disso, a um pequeno panorama da poesia produzida no País.
Pela leitura e análise dos versos de Santa Rita Durão (1722- 1784), Tomás António Gonzaga (1744-1810), Álvares de Azevedo (1831-1852), Alberto de Oliveira (1857-1937), Manuel Bandeira (1886-1968) e Murilo Mendes (1901-1975), Antonio Candido conduz o leitor pelas transformações da literatura brasileira, das expressões arcadistas do século XVIII à vanguarda modernista.
Releitura
Candido não abandona suas referências teóricas, mas dispensa o excesso de citações e as notas de rodapé. O que ele é faz é o "close reading", a leitura que esmiuça o mínimo componente de um poema. E isso se dá a partir de uma releitura exaustiva da obra - procedimento indispensável à crítica e análise literária.
A proposta do autor é a de que seus textos sirvam de base e referência, para professores e alunos, em leitura profundas e interpretativas das peças escolhidas. As lições para a sala de aula, contudo, servem para além delas: atendem bem ao leitor para quem a literatura é mais do que entretenimento.

Livro

Na sala de aula: Caderno de análise literária
Antonio Candido
Ouro Sobre Azul
2017, 150 páginas
R$ 35
 
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …