Livro "O Nordeste Brasileiro" é lançado hoje (21) no Instituto do Ceará, com a presença do autor Ésio de Souza

O Nordeste que eu estou falando não é o geográfico, é o Nordeste político". Assim Ésio de Souza descreve seu novo livro intitulado "O Nordeste Brasileiro - Invenção, Espaço e Dinâmica' que será lançado nesta segunda-feira (21), no auditório do Instituto Histórico e Geográfico do Ceará, às 15h30. Na ocasião, a apresentação da obra será feita pelo presidente do Instituto, Pedro Alcântara.
O trabalho discute o surgimento da nomenclatura Nordeste, que ainda não era usada para descrever a região hoje conhecida assim. "Antigamente o Brasil não era dividido em Nordeste, era Norte e Sul, ou você era de um ou outro", ensina Ésio de Souza.
"Esse Norte era enorme, vinha lá do extremo do Acre e ia até o extremo sul da Bahia, e a partir do Espírito Santo já era Sul, uma coisa bem desigual. Era proibido de certa forma, na época do Império, dizer outra coisa que não fosse Norte e Sul", relata o autor.
Ésio de Souza destaca ter sido difícil "encontrar um meio para escrever sobre o Nordeste", por se tratar de um tema já bastante explorado.
Após autores como Gilberto Freyre, Euclides da Cunha e Djacir Menezes abordarem a região em suas produções, ele precisou refletir sobre como poderia trazer algo novo, e revela de onde veio sua inspiração. "Eu tinha visto antes um trabalho do Evaldo Cabral de Melo, da Academia Brasileira de Letras, falando exatamente dessa questão sobre Norte e Sul", aponta.
Aspectos
O livro traz à tona a criação da terminologia Nordeste, e consequentemente, fala do "Nordeste Político", mas sem fugir do nordeste sertanejo, o turístico e o empresarial. A publicação aborda também a fala dos preconceitos ainda existentes com a região.
Foi em Pernambuco que apareceram os primeiros livros com o vocábulo Nordeste, entre eles a tese de Agamenon Magalhães, "Nordeste - Gêneses e Habitat". Assim, a palavra começou a ser empregada não só em publicações bibliográficas, mas nos órgãos federativos. "Os políticos criaram o Nordeste. Os intelectuais chancelaram. E as instituições consolidaram", atesta Souza.
"O Nordeste foi criação do Epitácio Pessoa (presidente do Brasil entre os anos de 1919 a 1922) que era paraibano, nordestino e achava que deveria ser Nordeste e não Norte", relata Ésio de Souza. Para ele, os motivos que levaram à divisão da região Norte em duas são surpreendentes e, ao mesmo tempo, esperados.
"O Nordeste Brasileiro" é cheio de referências históricas e rico em relatos. "Eu abordo muito a questão prática. A experiência que tive. É um relato", revela o autor.
Trajetória
Cearense nascido em Massapê, hoje chamada de Senador Sá, Ésio de Souza é sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Ceará e membro da Academia Cearense de Engenharia. Foi secretário de Agricultura do governo de Virgílio Távora (1963-1966) e Secretário do Interior de Gonzaga Mota (1983-1987).
Formado em Engenharia Agronômica e Técnico em Desenvolvimento Econômico, pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), foi funcionário da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e, através de seu trabalho, conheceu todo o Nordeste e tirou inspiração para escrever seu livro histórico.
A primeira edição de "O Nordeste Brasileiro - Invenção, Espaço e Dinâmica" foi editada pelo Senado Federal em abril deste ano e teve exemplares esgotados em julho. Agora em sua 2º edição, o livro será lançado no Ceará e continua à venda na livraria online do Senado Federal.
Livro
O Nordeste Brasileiro - Invenção, Espaço e Dinâmica
Ésio de Souza
Edições do Senado federal
2017, 152 páginas
R$ 16
Mais informações
Lançamento do livro "O Nordeste Brasileiro - Invenção, Espaço e Dinâmica".
Nesta segunda (21), às 15h30, no Instituto Histórico e Geográfico do Ceará (R. Barão do Rio Branco, 1594, Centro).
Contato: (85) 3021.7559

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado