Pular para o conteúdo principal

Obra de Leonilson está exposta em Mostra de SP

por Silas Martí* - Folhapress
Image-0-Artigo-2282084-1
Obra sem título, de 1992, de Leonilson, que foi exposta no Espaço Cultural Unifor. A peça pode ser vista na mostra coletiva "do silêncio: vers Leonilson", com curadoria de Ricardo Resende, em São Paulo ( Foto: Fabiane de Paula )
Uma vontade minimalista atravessa a obra de Leonilson. Suas pinturas da década de 1980, quando despontou no cenário artístico, foram se tornando cada vez menores e menos coloridas até chegar a seus desenhos delicadíssimos, elaborados com poucos traços e emoldurados por imensos espaços em branco.
Seus bordados, que chegaram a ter várias camadas e uma série de objetos costurados no tecido, seguiram a mesma linha da depuração, coincidindo com a descoberta da doença que tirou sua vida.
Numa mostra organizada por Ricardo Resende ("do silêncio: vers Leonilson"), agora na galeria Marilia Razuk (SP, até 23 de setembro), um desses trabalhos - só um véu esticado sobre um chassi de madeira com duas letras negras bordadas num canto - está em diálogo com obras de outros artistas que investigam a solidão e o silêncio.
Proximidades
Nem todas as conversas ali, no entanto, têm a mesma intensidade. Os belíssimos quadros de seda desfiada de Marina Weffort, de fato, lembram a mudez radical das obras em que Leonilson tentou expurgar todo vestígio de cor, arquitetando um espaço estéril, mas a semelhança parece restrita à superfície da forma.
As cartografias etéreas de Hilal Sami Hilal, traçadas sobre papel de algodão oxidado, sugerindo rotas entre planetas distantes e plantas arquitetônicas enferrujadas, talvez estejam mesmo mais próximas em conceito dos espaços errantes, fluidos que o artista âncora da mostra construiu em suas telas de escala elástica, onde homens são do tamanho de entroncamentos de rios. Uma paisagem urbana de Maria Leontina, que reduz as cidades a densas formas geométricas, lembra também a relação de Leonilson com as metrópoles que amava, de São Paulo a Los Angeles.
É com o se o casario chapado da modernista servisse de rota de fuga ou território de seus desencontros amorosos - a cidade ali vista como selva estoica, dura e indiferente.
Silêncios
Os silêncios também surgem ritmados, em sintonia com a sensação de impotência que atormentou Leonilson ao longo da vida, nas obras de papel recortado da colombiana Johanna Calle.
Suas composições poderiam ser textos ou partituras, mas, no lugar de notas e letras há buracos na folha de papel, ausências que se querem cheias de significado, como frases soltas ditas em nome de amores impossíveis.
*Jornalista e crítico de arte

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …