Seminário que acontece hoje (28), no auditório da reitoria da Universidade Federal do Ceará, irá debater a obra de Parsifal Barroso, reeditada no início desse mês

Há exatos 20 dias, o lançamento da segunda edição do livro "O Cearense", de Parsifal Barroso, ajudou a reacender a discussão sobre uma identidade que está muito além da ideia de "cabeça-chata" ou de "judeu brasileiro". O conceito de cearensidade trabalhado pelo intelectual nos anos 1960 - reforçado por uma "modalidade própria de ser, de falar, de agir e de afirmar-se, que não se confunde com qualquer outra" -, retorna hoje (28) ao centro do debate, em um seminário no auditório da reitoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), a partir das 16h.
A abertura do evento - gratuito e aberto ao público - será conduzida pelo reitor da UFC, professor Henry de Holanda Campos, e pelo presidente do Instituto Myra Eliane e neto de Parsifal Barroso, Igor Queiroz Barroso. Na ocasião, a ideia proposta pelo autor pautará as falas do professor da Universidade Estadual do Ceará (UECE) e aposentado da UFC, Josênio Parente, e das escritoras Angela Gutiérrez e Ana Miranda.
"O seminário será mais uma maneira de possibilitar ao público uma aproximação com essa obra tão importante sobre o nosso povo. 'O Cearense' é um livro de vanguarda que esmiúça diversos aspectos de nossa cultura e formação enquanto povo. Mais do que isso, a obra representa a valorização de algumas de nossas características mais importantes. Um verdadeiro resgate de nossa autoestima", destaca Igor Queiroz Barroso.
Considerada um dos estudos pioneiros sobre o conceito de cearensidade, a obra, publicada originalmente em 1969, analisa diferentes aspectos dessa identidade, levando em conta desde traços mais subjetivos até a própria geografia do Estado. Os estudos de Parsifal foram amparados em sua formação em Ciências Jurídicas e Sociais, e na própria vivência como político.
Além disso, os dados colhidos da conferência "Precisa-se do Ceará", ministrada pelo sociólogo pernambucano Gilberto Freyre no Theatro José de Alencar e publicada nas páginas do jornal Unitário, edição de 28 de agosto, de 1944, deram fundamental contribuição ao ensaio do cearense.
Palestrantes
A escritora Angela Gutiérrez, uma das convidadas do seminário de logo mais, adianta um pouco de sua leitura sobre a obra de Parsifal. "O conceito que ele utiliza está muito ligado a um contexto em que viveu sua jovem maturidade, influenciada por todos os romances de 1930, os livros de Gilberto Freyre e de Djacir Menezes. Essa preocupação da intelectualidade sobre uma identidade contribuiu para que Parsifal se dedicasse a estudar o papel do cearense como construtor do Brasil, como construtor da brasilidade", observa Ângela.
Uma das ideias pelas quais a autora mais se interessa é a da tendência do cearense de juntar características opostas, observada por Freyre e aprofundada por Parsifal em seu ensaio. A isso, ela associa discussões da atualidade. "O cearense tem uma tendência triste de não cuidar das tradições, mas ao mesmo tempo tenta manter a tradição da cearensidade", identifica. O próprio livro se insere nesse paradoxo, acredita a escritora.
"Veio em boa hora a iniciativa do Instituto Myra Eliane, especialmente do neto do doutor Parsifal, Igor Queiroz Barroso, de trazer outra edição, porque a primeira já se esgotou. Em torno do lançamento, você consegue colocar em pauta muitas questões da cearensidade, e uma delas é esse pouco apego às tradições, que nos fazem perder patrimônios", diz Gutiérrez.
O professor Josênio Parente, por sua vez, lamenta o fato de não ter tido acesso ao livro de Parsifal em suas pesquisas de mestrado e doutorado, quando se debruçou sobre a ideia de poder local e sobre a lógica das elites cearenses. Parente identifica algumas semelhanças entre o que concluiu e o que o autor propôs.
"No caso das minhas pesquisas, percebi que, ao longo da história, não temos oligarquias permanentes aqui no Ceará; há uma constante alternância entre os grupos, e ela está ligada ao meio ambiente, à seca, ao semiárido, que não favorece a uma economia sustentável para essas elites. Parsifal e outros estudiosos já haviam suspeitado disso ao estudarem a geografia do nosso Estado e como ela interfere em nossa formação", observa o professor.
Conclusões como essa levam Parente a reconhecer a importância tanto da reedição do livro como do próprio evento de hoje. "Atividades como essa têm o papel de revelar intelectuais que o Ceará teve e muitas vezes a Academia não dá a devida atenção. As contribuições do passado e do presente devem ser somadas para se conhecer melhor o processo e construir-se um Ceará que dê conta da sua realidade", finaliza.
Mais informações:
Seminário "O Cearense". Hoje (28), a partir das 16h, no Auditório Castelo Branco, na reitoria da UFC (Av. Da Universidade, 2853, Benfica). Entrada gratuita. Site: www.ocearense.com

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Prêmio Sesc de Literatura encerra inscrições na quinta-feira (14)