68º Salão de abril começa hoje, sem apoio da prefeitura de Fortaleza

Começa hoje a 68ª edição do Salão de Abril, principal mostra de artes do Ceará. O evento, entretanto, não será realizado pela Prefeitura de Fortaleza. Diante da indefinição da gestão municipal sobre a realização ou não do evento este ano, os artistas “sequestraram” o Salão e, por conta própria, vão realizar as exposições em quinze espaços da Capital, entre eles, a Vila Vicentina, o Poço da Draga e o entorno do Parque do Cocó. Hoje, dois lançamentos simultâneos marcam o início das atividades: um na Galeria Multiarte, às 18h30min, e outro na Imagem Brasil Galeria, às 19h30min. Ao todo, 161 propostas compõem a programação, que se estende até dia 20 de outubro.
“É importante se posicionar contra esse descaso da Secretaria da Cultura (Secultfor) e mostrar que a Cidade tem muitos artistas visuais, que estamos reagindo. A Cidade não pode ficar com menos essa ação artística”, afirma Jacqueline Medeiros, pesquisadora de arte e diretora da galeria Sem Título Arte, que também compõe a programação e terá abertura no próximo dia 3. “Estamos trabalhando sem verba alguma, todo mundo está doando sua força de trabalho e o evento vai acontecer somente em espaços não-governamentais” detalha. Jacqueline é também curadora desta edição, ao lado de nomes como Beatriz Furtado, Bitu Cassundé, Cecília Bedê, Cecília Soares, Herbert Rolim, Maíra Ortins, Pablo Assumpção e Narcélio Grud.
Professora da Universidade Federal do Ceará, Beatriz destaca a importância histórica do evento, que teve início em 1943 e já reuniu grandes nomes das artes como Antônio Bandeira, Heloísa Juaçaba, Nice Firmeza, Sérvulo Esmeraldo, entre muitos outros. “O Salão tem uma importância histórica para as artes visuais e não pode ser simplesmente abandonado, como a Prefeitura fez”, afirma.
Para a curadora, a articulação para a realização da edição sequestrada representa um novo momento para os artistas da Capital. “É um marco para as artes visuais, que é uma linguagem artística em que os trabalhos são muito individualizados e não tem a articulação de áreas como o cinema. A gente conseguiu se articular e fazer todo o processo mesmo com todas as limitações”, aponta.
Foram mais de 200 trabalhos inscritos, entre eles, nomes de projeção nacional como Efrain Almeida, André Parente e Hélio Rôla. Beatriz reforça que a edição sequestrada aparece como um bom momento para firmar bases do evento. “O Salão precisa de uma política de permanência, temos que assegurar por lei e pensar a criação de uma fundação que responda por ele, como acontecesse coma Bienal de São Paulo”, pondera.
SECULTFOR
Depois de meses de silêncio sobre a realização ou não da mostra em 2017, no dia 26 de julho a Secultfor confirmou ao O POVO que teria uma edição oficial do 68º Salão de Abril, com programação realizada ainda este ano. Procurada pela reportagem esta semana, a assessoria de comunicação do órgão afirmou, porém, que ainda não há informações sobre o evento e também não soube precisar se havia tempo hábil para a realização da exposição até dezembro.

SERVIÇO

68º Salão de Abril
Quando: de hoje até 30 de outubro
Onde: quinze espaços da Cidade
Programação gratuita
Info: facebook.com/68SalaodeAbrilSequestrado

RENATO ABÊ
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado