Pular para o conteúdo principal

A coleção secreta de Monet, enfim revelada

"Sou um egoísta, minha coleção é só para mim e alguns poucos amigos". Mais de um século depois de Monet pronunciar estas palavras, uma mostra em Paris expõe os tesouros que o artista guardava de contemporâneos como Renoir e Delacroix.
Claude Monet (1840-1926) fez estas declarações por volta de 1900 a jornalistas que visitavam sua propriedade de Giverny (norte da França). Somente alguns deles tiveram o privilégio de descobrir as obras - algumas distantes de sua própria pintura - que o mestre do Impressionismo mantinha nas dependências particulares de sua casa.
Apesar destes depoimentos, "sabíamos pouco sobre esta coleção", destaca Marianne Mathieu, curadora junto com Dominique Lobstein da mostra no museu Marmottan, até 14 de janeiro.
Como o documento do inventário feito após a sua morte foi destruído durante a Segunda Guerra Mundial e seu filho Michel, herdeiro da coleção, vendeu parte dela, teriam que partir do zero.
A pesquisa, realizada pelos dois curadores, ambos historiadores da arte, durou quatro anos até estabelecer uma lista de 120 obras, assim como uma cronologia, que permitiu associar "a constituição da coleção com a vida de Monet", segundo Mathieu.
No início de sua carreira, Monet carecia de recursos para comprar as obras, mas recebia quadros de amigos artistas. Assim, Edouard Manet lhe ofereceu o único retrato que Monet permitiu que fizessem dele e de sua esposa, Camille. Trata-se de uma pintura que parece inacabada, na qual o rosto de Monet aparece mal pintado, mas que guardou por toda a sua vida.
Após a época dos presentes, veio a das trocas. Amigo da pintora francesa Berthe Morisot - companheira de Manet -, Monet ofereceu em 1884 um suntuoso quadro de uma paisagem italiana, "Las villas en Bordighera", para que o colocasse em sua nova casa.
Depois da morte de Morisot em 1895, sua filha Julie, respeitando a vontade de sua mãe, propôs a Monet escolher uma de suas obras. Ficou com "Julie Manet et son Lévrier Laerte".
Com Pissarro a situação foi mais tensa. Monet lhe emprestou uma quantia importante de dinheiro para que comprasse uma casa e, em troca, pediu "Paysannes plantant des rames", muito apreciado pela crítica da época. Mas Pissarro havia dado de presente para sua esposa Julie, que não queria cedê-la.
Obstinado, Monet acabou conseguindo o que queria, mas o episódio não deixa de ser surpreendente, posto que se trata de uma obra neo-Impressionista, corrente defendida por artistas como Seurat e Signac, e com a qual Monet se negava a expor. "Um exemplo da dicotomia entre suas palavras e o que colecionava", destaca a curadora.
Quando pode se permitir comprar segundo os seus gostos, os primeiros a adquirir foram quadros de seus "mestres", embora não tenha reconhecido a sua influência até o fim de sua vida.
Assim, mediante mercadores e leilões, comprou pinturas de Eugène Boudin, paisagens de Delacroix como "Falaises près de Dieppe" e obras de Corot.
Mas a partir dos anos 1890, suas compras se centraram, sobretudo, em Renoir e Cézanne, dois artistas com uma concepção de pintura muito diferente.

De Renoir, Monet se fez com nus - gênero que nunca abordou -, assim como pinturas orientalistas, como "La Mosquée. Fête arabe", uma obra de 1881 pela qual não hesitou em pagar a elevada quantia de 10.000 francos.
O amor "à primeira vista" por Cézanne foi com "Nègre Scipion", emprestado excepcionalmente para a mostra de Paris pelo museu de Belas Artes de São Paulo. No total, Monet adquiriu uma dúzia de obras do precursor do Cubismo.
AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …