A história contada por Paulo Henrique Lustosa, autor do livro "O Plano que Fechou o Congresso"

Image-0-Artigo-2301506-1
O primeiro livro do deputado federal Paulo Henrique Lustosa conta a história do plano que instaurou o Estado Novo de Getúlio Vargas (Foto: Kleber A.Gonçalves)
Em 1937 acontecia no Brasil o primeiro fechamento de congresso, dando início a um período de ditadura que duraria oito anos. Essa é a história contada por Paulo Henrique Lustosa, autor do livro "O Plano que Fechou o Congresso", que será lançado hoje (26), às 20h, no Terraço Cultural do Ideal Clube. Primeiro romance do deputado federal, o livro transita entre o ficcional e o real, contando a história do Plano Cohen e de como o presidente Getúlio Vargas instaurou o Estado Novo.
O livro tem uma história dinâmica, que começa no Rio de Janeiro e termina em Fortaleza, passando por Recife, e por algumas cidades do interior do Nordeste. A realidade do cangaço, da chegada da tecnologia, de estradas de ferro e da iluminação pública são alguns dos eventos retratados na obra.
A obra tem como objetivo primordial contar a história do Brasil daquela época, trazendo o clima político em que vivia o país no final dos anos 30. Alfredo Eugênio, personagem fictício no livro, surge como narrador, dando a visão de um parlamentar sobre o assunto. "Pensei nesse cara, um deputado que fosse do Ceará, porque ficaria fácil pra criar uma história para ele. Comecei a escrever, mas ele ainda não tinha nome, queria um nome que tivesse a ver com a época", explica Paulo Henrique Lustosa, autor do livro.
A procura nos documentos das eleições da década de 30 no Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE) deram resultados e o nome de Alfredo Eugênio, candidato (não eleito) à eleição de 1934 pelo Partido Economista do Brasil apareceu. "Peguei emprestado o nome dele, inventei uma história de um advogado que vira deputado e se vê no meio dessa situação", explica.
Atualidade
O autor conta na história sua versão de porque o plano deu certo e de como o documento, Plano Cohen, foi aceito sem ninguém protestar ou validar sua real autenticidade. O tema é atual, naquela época o congresso também passava desconfiança na população, que não se sentia representada.
O livro se utiliza de várias citações literais: parte dos discursos parlamentares dos deputados são tirados dos anais da câmara da época. Escritos do diário de Getúlio Vargas e matérias de jornais foram utilizadas como fonte de pesquisa para o livro.
"O Plano que Fechou o Congresso" é cheio de coincidências literárias. O título do primeiro capítulo é intitulado "Rio de Janeiro, quinta-feira, 23 de setembro, 1937", dia em que aconteceu o golpe de 34. O lançamento do livro foi marcado para acontecer na data mais próxima do evento e também para três dias depois do octogésimo aniversário do Estado Novo.
"O Plano Cohen sempre foi algo que me instigou. O plano era flagrantemente falso, um negócio surreal, um documento que prometia matar os militares, fazer greve. Qualquer pessoa com um pequeno senso de realidade viria que o plano não tinha a menor viabilidade de ser real", conclui o autor.
Livro
O Plano que Fechou o Congresso
Paulo Henrique Lustosa
Vocábulo um
2017, 340 páginas
R$50
Mais informações:
Lançamento do livro "O Plano que Fechou o Congresso". Hoje (26), às 20h, no Terraço Cultural do Ideal Clube (Av. Monsenhor Tabosa, 1381, Meireles). Gratuito. Contato: (85) 3248-5688

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Herança do governo golpista