Festival de Brasília chega à 50ª edição e homenageia Nelson Pereira dos Santos

Leandro Melito – Repórter do Portal EBC
Brasília - Crianças de escolas do DF assistem a filmes durante o Festivalzinho, atividade do 49 Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Festival de Brasília do Cinema Brasileiro é o mais antigo do paísMarcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil























O Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, o mais antigo do país, chega à edição de número 50 com homenagem ao cineasta Nelson Pereira dos Santos, que vai completar em outubro 90 anos de idade. O evento será aberto nesta sexta-feira (15) no Cine Brasília, com apresentação dos atores Juliano Cazarré e Dira Paes e participação do também ator Matheus Nachtergaele. Os filmes em competição serão exibidos no Cine Brasília, localizado no Plano Piloto da capital federal, e nas cidades de Taguatinga, Sobradinho, Gama e Riacho Fundo I, regiões administrativas do Distrito Federal.
Na mostra competitiva, nove longas e 12 curtas-metragens de nove estados concorrem ao Troféu Candango. O júri oficial indicará os vencedores nas categorias melhor filme, direção, ator, atriz, ator coadjuvante (somente nos longas), atriz coadjuvante (somente nos longas), roteiro, fotografia, direção de arte, trilha sonora, som e montagem. As categorias de melhor filme recebem prêmios em dinheiro nos valores de R$ 40 mil (longa) e R$ 10 mil (curta) para o Troféu Candango e de R$ 100 mil no Prêmio Petrobras de Cinema.
O público também escolherá o vencedor pelo Júri Popular, que também receberá Prêmio Petrobras de Cinema e R$ 200 mil, valor destinado à distribuição comercial do filme. Este ano, pela primeira vez, os espectadores poderão votar por meio do aplicativo oficial do Festival de Brasília.
A direção artística do festival está a cargo do cineasta, crítico e programador Eduardo Valente. O festival teve um recorde de produções audiovisuais inscritas. Foram 778 filmes entre longas e curta-metragens, 25% a mais do que em 2016.
Homenagem
Nelson Pereira dos Santos, que completa 90 anos em 22 de outubro, será homenageado com a entrega da medalha Paulo Emílio Salles Gomes. Impossibilitado de comparecer ao evento, o diretor de filmes como Rio Zona Norte (1957), Vidas Secas (1963) e Como Era Gostoso Meu Francês(1973) será representado no evento por Diogo (filho) e Mila Dahl (neta).
A medalha será entregue pelo diretor Vladimir Carvalho e pelo crítico Jean-Claude Bernardet, homenageado na edição anterior do festival. Em seguida será exibido o curta-metragem Nelson Filma (RJ, 1971), de Luiz Carlos Lacerda.
A abertura do festival também fará uma homenagem póstuma a três nomes da cinematografia brasiliense: Marcio Curi, Manfredo Caldas e Geraldo Moraes, com a exibição de dois curtas-metragens: Quando Márcio Virou Estrela (DF, 2017), de André Luís Oliveira, em homenagem a Márcio Curi e Manfredo Caldas; e Um Cineasta no Coração do Brasil (DF, 2016), homenagem a Geraldo Moraes dirigida por Bruno Torres, seu filho.
Brasília - Diretor Vladimir Carvalho é homenageado durante o 49 Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (Wilson Dias/Agência Brasil)
O diretor Vladimir Carvalho foi homenageado durante o 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro Wilson Dias/Arquivo/Agência Brasil
Mostra Competitiva
A seleção dos filmes que disputam a Mostra Competitiva demostra a diversidade estética do Festival, com representantes de vários estados de diferentes regiões do país. Os longas selecionados foram Arábia, de Affonso Uchoa e João Dumans (MG); Café com Canela, de Ary Rosa e Glenda Nicácio (BA); Construindo Pontes, de Heloisa Passos (PR); Era uma Vez Brasília, de Adirley Queirós (DF); Música para Quando as Luzes se Apagam, de Ismael Caneppele (RS); O Nó do Diabo, de Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi (PB); Pendular, de Julia Murat (RJ); Por Trás da Linha de Escudos, de Marcelo Pedroso (PE); e Vazante, de Daniela Thomas (SP).
Os curtas-metragens selecionados para a Mostra Competitiva são A Passagem do Cometa, de Juliana Rojas (SP); As Melhores Noites de Veroni, de Ulisses Arthur (AL); Baunilha, de Leo Tabosa (PE); Carneiro de Ouro, de Dácia Ibiapina (DF); Chico, dirigido por Irmãos Carvalho (RJ); Inocentes, de Douglas Soares (RJ); Mamata, de Marcus Curvelo (BA); Nada, de Gabriel Martins (MG); O Peixe, de Jonathas de Andrade (PE); Peripatético, de Jessica Queiroz (SP); Tentei, de Laís Melo (PR); e Torre, dirigido por Nadia Mangolini (SP).
Além da entrega do Troféu Candango, um dos mais prestigiados prêmios do cinema brasileiro, o Festival de Brasília traz uma novidade: o pagamento de R$ 340 mil em cachês de seleção, distribuídos entre todos os filmes selecionados, a exemplo do que ocorre em grandes festivais nacionais e ao redor do mundo. O cachê de seleção para os longas-metragens é R$ 15 mil, para a sessão Hors Concours é R$ 10 mil e para curtas-metragens é R$ 5 mil. Nas mostras paralelas, os longas receberão R$ 3 mil cada.
Histórico
O Festival de Brasília do Cinema Brasileiro vira um cinquentão no ano em que se completam 40 anos da morte de um de seus criadores, o crítico e escritor de ficção Paulo Emílio Salles Gomes.
Após participar da criação do curso de audiovisual da Universidade de Brasília ao lado de Jean-Claude Bernardet e Nelson Pereira dos Santos em 1964, Gomes foi chamado pela Fundação Cultural do Distrito Federal a integrar uma comissão de intelectuais que fundaram a 1ª Semana do Cinema Brasileiro, feita em 1965 para um público de 2 mil pessoas, com uma composição social “diversa da que se encontra no Rio ou em São Paulo”, segundo registrou em um artigo publicado à época.
“Há na capital um núcleo sólido, estruturado nos cursos de apreciação cinematográfica, mas o número maior de espectadores da semana se recrutava em setores tradicionalmente indiferentes, desconfiados ou mesmo hostis ao cinema brasileiro. O fenômeno de Brasília foi o da conversão em massa. A nota dominante dos comentários era a surpresa, o espanto, a estupefação”, escreveu apontou Gomes no artigo Novembro em Brasília.
Foi a primeira edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que viria a ganhar esse nome na sua terceira edição em 1967. O festival foi interrompido pela ditadura militar entre os anos de 1972 e 1974, teve sua retomada em 1975 e, desde então, ocorre anualmente.

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado