Incertezas

Gonzaga Mota*
Nos últimos anos, vários brasileiros e brasileiras não estão pensando e agindo em favor do Brasil. A miséria, a desigualdade de renda, os precários níveis de educação, saúde e segurança, o desemprego, a perversa corrupção etc são indicadores que nos levam a crer que estamos passando, não sabemos o fim, por momentos de extrema gravidade.
Por quê? A perplexidade domina a maioria da população brasileira. Somos um povo bom e trabalhador, nosso território, em sua grande extensão, é saudável e compatível com ações desenvolvimentistas. Cremos que a ganância e a falta de espírito público de determinados grupos buscando mais poder, em todos os seus aspectos, provocam um desequilíbrio moral e ético, longe dos princípios básicos da Democracia. Esta apoia-se na expectativa de garantir a representatividade e a legalidade das decisões políticas. Os Artigos 2º e 5º de nossa Carta Magna mostram a desarticulação do Estado brasileiro. No Art. 2º está dito: "São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário". É triste, mas sem generalizar, podemos afirmar que é pura balela.
A imprensa nos mostra, diariamente, desentendimentos e brigas entre membros dos Poderes constituídos e até do mesmo Poder. O que está ocorrendo em certas ocasiões não é o debate e a discussão válida e cívica sobre teses e diretrizes, mas a "judicialização da política" e a "politização da Justiça".
Com relação ao Art. 5º, "Todos são iguais perante a lei, sem distinção...", vem sendo um dispositivo de natureza retórica. Democraticamente, precisamos repensar o Brasil.
*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

MASP completa 50 anos de histórias

Cearense Mailson Furtado ganha o Prêmio Jabuti de livro do Ano