Pular para o conteúdo principal

Jovens catalães se mobilizam pela independência

População jovem foi destaque na grande manifestação convocada pelos dirigentes separatistas da região, mas proibido pela justiça espanhola.
Milhares de pessoas tomaram as ruas para pedir a independência da região.
Milhares de pessoas tomaram as ruas para pedir a independência da região. Foto (Pau Barrena/AFP)
Os jovens na Catalunha, que vivem há anos o aumento do sentimento separatista contra a Espanha, participaram maciçamente nesta segunda-feira de uma grande manifestação em Barcelona pela "construção de um novo país".
Anna Comellas, de 20 anos, marchou enrolada em uma bandeira separatista a três semanas de um referendo de autodeterminação convocado pelos dirigentes separatistas da região, mas proibido pela justiça espanhola.
Para ela é a quinta "Diada", a festa do 11 de setembro na Catalunha, que se transformou em uma manifestação para que os separatistas mostrem força.
A jovem estudante de cabelos castanhos, que quer ser professora, recorda que seu avô era simpatizante da ditadura de Francisco Franco (1939-1975).
Seus pais não são nacionalistas, mas ela se tornou separatista em contato com os outros alunos em suas aulas, que eram, "salvo as de línguas estrangeiras", em catalão, a língua regional cujo uso oficial foi proibido pelo franquismo.
"Os tempos avançam e nos damos cada vez mais conta de que estar na Espanha nos prejudica", afirma. Ela conta que na escola entendeu que os catalães contribuem mais com cofres públicos do que recebem em troca, uma queixa recorrente entre os separatistas
Seu pai brinca, dizendo que ela é uma "vermelhinha", mas a eleitora do CUP - partido separatista de extrema esquerda- explica sua decisão.
"Meus pais já estão com a vida feita, trabalharam e não precisam de uma mudança. Nós vemos o que está por vir", disse, referindo-se aos efeitos da crise econômica e à ausência de perspectivas para os jovens.
- "Que nos respeitem" -
Barcelonês de 21 anos, Cristian Par mostra a camiseta da Diada de 2013, quando os separatistas se estenderam por 400 quilômetros. "Gosto de ver a unidade, o respeito que nós temos uns pelos outros. É a única coisa que queremos, que nos respeitem".
Sua mãe argentina aprendeu catalão ao chegar, se integrou sem dificuldade e é separatista.
"Aos 15, 16 anos, eu lia as notícias e vi que o mais justo era poder constituir-se em Estado, para termos mais recursos e sermos respeitados como cultura", disse o jovem, que não se sente "relacionado com a cultura espanhola".
Laura Alberch, uma jovem jornalista de 25 anos da população de Vic (43.000 habitantes), um bastião do separatismo ao norte de Barcelona, assegura que construiu sua identidade política em função de como é tratado por Madri.
"Meus antepassados morreram na Guerra Civil (1936-1939) assassinados por (pelas tropas de) Franco e meus pais eram nacionalistas" catalães, explica.
"Estamos no século XXI e esta Constituição que diz que (o referendo) é ilegal, é de 40 anos atrás, os tempos mudam", disse Alberch, que atribui a mobilização dos jovens às redes sociais.
A última pesquisa do centro de estudos de opinião que depende do governo catalão dava uma pequena vantagem ao "sim" à independência entre os jovens de 18 a 34 anos.
- "Catalã e espanhola" -
"Os jovens são um pouquinho mais separatistas", diz o cientista político Pablo Simón, explicando que muitos deles vivem desde novos o auge do movimento separatista na Catalunha, desde o começo de 2010.
As gerações com menos de 35 anos, "que são as que têm vivido sobretudo o processo que busca a autodeterminação vão ter uma propensão a ser mais separatistas, pelo menos mais polarizados", acrescenta.
Também há jovens que não acham que sair da Espanha seja importante, mesmo que, como cerca de 70% dos catalães, apoiem a ideia de celebrar um referendo legal e acordado com o Estado.
"Não gosto de patriotismos, tanto um lado como de outro", declara Cristina Sánchez, de 21 anos, que participou nesta segunda-feira de uma manifestação do partido de esquerda radical Podemos.
A jovem garante que votará "não" caso a consulta aconteça. "Me sinto catalã e espanhola", ressalta.

AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …