Livro e picolé

Gonzaga Mota*
Nos últimos dias 8 e 9 do corrente mês, tive a oportunidade de visitar a XVIII Bienal Internacional do Livro no Rio de Janeiro. Realizou-se no amplo Rio Centro. Chegando no local, no primeiro dia, fiquei emocionado e alegre. A fila de entrada era muito extensa e formada na grande maioria por crianças, jovens e adolescentes. Apesar da minha idade, mas em respeito e homenagem aos integrantes, fiz questão de enfrentar, sob sol forte, a ordem estabelecida. Após cerca de uma hora entrei no enorme pavilhão. Mesmo cansado, fui a vários setores e observei muitos "stands". Livros diversos: poemas, romances, técnicos, religiosos, infanto-juvenis etc.
No dia seguinte, retornei para espiar, exclusivamente, as obras destinadas às crianças e aos jovens. Notei que a frequência, de um dia para o outro, do público infanto-juvenil havia aumentado. Cresceu, mais ainda, minha felicidade e emoção. Os meninos e meninas do Brasil estão iniciando um processo de emancipação cidadã, através da leitura. Sentei-me em frente a um "stand" de livros infanto-juvenis. Ao lado, uma moça com carrinho vendia picolés para a garotada. Pois bem, a meninada passava indiferente pelo carrinho e entrava no "stand". Muitos compravam livros e só depois adquiriam os saborosos picolés. Atitude, a meu juízo, que traz esperança.
A boa leitura poderá acabar no futuro, talvez numa geração (25 anos), com os desvios de conduta e a corrupção endêmica existentes em vários segmentos da população brasileira. Sem dúvida, é na educação e na cultura que se encontra o único caminho para o desenvolvimento democrático, pleno e justo.
*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado