Pular para o conteúdo principal

Livro-entrevista de sociólogo francês traça retrato inédito do Papa

Francisco aborda temas como o aborto, casamento, abusos sexuais, migrações ou o papel das mulheres na sua vida

(Lusa)
Lisboa, 02 set 2017 (Ecclesia) – O Papa Francisco está no centro do livro-entrevista ‘Política e sociedade’, do sociólogo francês Dominique Wolton, com quem aborda temas como o aborto, casamento, abusos sexuais, migrações ou o papel das mulheres na sua vida.
A obra, com mais de 400 páginas, vai ser lançada em França na quarta-feira e alguns excertos do livro foram dados a conhecer pelo jornal ‘Le Figaro’, abrindo as portas a um “diálogo inédito” que decorreu em várias sessões, ao longo de dois anos.
Francisco reforça a condenação do aborto como um pecado “grave” que implica o “homicídio de um inocente”, sublinhando que a existência de um pecado deve levar as pessoas a procurar o “perdão”, justificando assim o alargamento da faculdade de absolvição do mesmo.
Em relação ao casamento, o Papa defende que este se limita às relações “entre um homem e uma mulher”, pela “natureza das coisas” e pela história da humanidade, pelo que defende que uniões entre pessoas do mesmo sexo sejam chamadas “uniões civis”.
“Não brinquemos com a verdade”, adverte, apontando o dedo à ideologia de género.
O pontífice retoma as suas preocupações com as condições dos migrantes e refugiados, recordando que esta foi uma condição do “próprio Jesus”, antes de manifesta preocupação com uma Europa “fechada” na qual faltam grandes lideranças.
Francisco diz que o Velho Continente “explorou” a África, por exemplo, deixando muitas pessoas sem trabalho e à mercê das guerras.
A este respeito, o Papa rejeita a expressão “guerra justa”, por considerar que a única solução justa é a paz.
O livro aborda a questão dos abusos sexuais de menores por membros do clero, considerando que se um padre é um abusador “está doente”, além de deixar elogios à política seguida desde o pontificado de Bento XVI de “enfrentar o problema”.
Francisco fala da influência das mulheres da sua vida, desde a sua avó a “pequenos namoros”, passando por consultas a uma psicoterapeuta, entre 1978 e 1979, quando o então padre Jorge Mario Bergoglio tinha 42 anos.
A entrevista rejeita que o secularismo transforme as religiões em “subculturas” e lamenta que países muçulmanos não aceitem o “princípio da reciprocidade” em relação ao direito de liberdade de culto.
O Papa lamenta a “rigidez” de alguns membros da Igreja, em particular aos que centram o discurso em questões de moralidade sexual, esquecendo questões sociais.
Francisco fala numa “tentação” de uniformizar regras para situações diferentes e dá como exemplo o tema das famílias em dificuldade, abordado na sua exortação apostólica pós-sinodal ‘Amoris Laetitia’.
O pontífice sublinha que o discurso da proibição, do “não, não, não” é o mesmo que se encontra nos diálogos de Jesus com os fariseus, nos Evangelhos, deixando votos de que seja possível “ver mais além”.
OC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …