Pular para o conteúdo principal

Menina cega chega à final de Olimpíada de Matemática

Colaboração para o UOL
  • A Bacello / El Observador
    3.set.2017 - A professora Analia Lira aprendeu braile para ensinar a estudante María Luisa Carballo
    3.set.2017 - A professora Analia Lira aprendeu braile para ensinar a estudante María Luisa Carballo
María Luisa Carballo foi umas das 1500 finalistas da Olimpíada de Matemática realizada no bairro de Casavalle, em Montevidéu. O desafio organizado pelo centro educacional Los Pinos tem na jovem de dez anos uma competidora especial: a menina perdeu a visão há três anos por causa de um glaucoma congênito. Para superar as dificuldades em sala de aula, a garota conta com a ajuda da educadora Analia Lira, que aprendeu braile para ensinar a estudante.
"Entrei na escola com cinco anos. Analia está conosco desde o começo, porque ela era professora da minha irmã. Ela me deu aula no segundo, no quinto e no sexto ano", disse María Luisa ao site do jornal uruguaio "El Observador", em entrevista publicada neste domingo (3). A docente explicou como ela teve de se adaptar às dificuldades da menina.
"No segundo ano, ela era uma criança de baixa visão. Então veio uma professora itinerante de outra escola, especialista em ensinar jovens com baixa capacidade visual, que nos deu diretrizes para trabalhar. Porém, no quinto ano, quando voltei a dar aula para María Luisa, ela já tinha perdido toda visão", relatou.
Ocorre que a menina nasceu com a doença, que foi se desenvolvendo com o passar dos anos. Os médicos que fizeram o diagnóstico explicaram a sua família que com o tempo era provável que ela ficasse cega, o que aconteceu quando a jovem chegou no terceiro ano da escola.
María Luisa chegou a cursar o quarto ano em uma escola adaptada a ensinar crianças com baixa visão, mas as dificuldades financeiras de sua família a obrigaram a voltar a estudar em seu bairro. A partir daí que a menina e Analia voltaram a se encontrar, o que motivou a professora a aprender braile.
"Agora podemos nos falar pelo mesmo código. Ao planejar atividades em braile, ela se sente mais valorizada", explicou Analia, que aproveitou um curso gratuito do Ministério de Desenvolvimento Social para aprender a linguagem. E a Olimpíada? "Quero saber como me saí. Estou ansiosa", disse María Luisa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …