Mês para reflexão

Gonzaga Mota*
Setembro é o mês dedicado à Bíblia, ou seja, à Palavra de Deus. Sua leitura e interpretação une, fé e vida. A Bíblia foi concebida e escrita por pessoas com inspiração divina. É dividida em duas partes: o Antigo e o Novo Testamentos (Pactos). Os livros ou textos religiosos que a compõem permitem a análise da humanidade.
Com relação ao Antigo Testamento, os cristãos da Igreja Católica admitem 46 livros, já os protestantes, por exemplo, consideram 39, sendo 7 apócrifos (Tobias, Judite, I Macabeus, II Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico e Baruque). Por sua vez, o Novo Testamento é composto por 27 livros aceitos por todos cristãos.
O Antigo Testamento mostra detalhes acerca da criação do mundo e descreve a aliança de Deus com o povo. O segundo foi escrito após o nascimento de Jesus e, de uma maneira geral, evidencia os ensinamentos do Senhor.
Sem dúvida, a Bíblia é a obra mais vendida e traduzida em todo o mundo, talvez a mais lida, no entanto nem sempre compreendida. Não basta tê-la, é fundamental lê-la e analisá-la buscando lições para a vida material e espiritual. Além de compreendê-la, é importante vivê-la e anunciá-la ao próximo.
Segundo Abraham Lincoln: "Estou ultimamente ocupado em ler a Bíblia. Tirai o que puderdes desse Livro pelo raciocínio e o resto pela fé, e, vivereis e morrereis um homem melhor". A rigor, como se diz, a Bíblia é o Livro dos livros.
Toda mensagem positiva, verbal ou escrita, de filósofos, teólogos, cientista, pensadores, escritores, etc, baseia-se nas propostas e ensinamentos bíblicos, isto é, na Palavra de Deus. No amor.

*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

Missão da Unesco faz primeira visita ao Museu Nacional

Bancário faz sua estreia como escritor

Adjetivando a vida