Mês para reflexão

Gonzaga Mota*
Setembro é o mês dedicado à Bíblia, ou seja, à Palavra de Deus. Sua leitura e interpretação une, fé e vida. A Bíblia foi concebida e escrita por pessoas com inspiração divina. É dividida em duas partes: o Antigo e o Novo Testamentos (Pactos). Os livros ou textos religiosos que a compõem permitem a análise da humanidade.
Com relação ao Antigo Testamento, os cristãos da Igreja Católica admitem 46 livros, já os protestantes, por exemplo, consideram 39, sendo 7 apócrifos (Tobias, Judite, I Macabeus, II Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico e Baruque). Por sua vez, o Novo Testamento é composto por 27 livros aceitos por todos cristãos.
O Antigo Testamento mostra detalhes acerca da criação do mundo e descreve a aliança de Deus com o povo. O segundo foi escrito após o nascimento de Jesus e, de uma maneira geral, evidencia os ensinamentos do Senhor.
Sem dúvida, a Bíblia é a obra mais vendida e traduzida em todo o mundo, talvez a mais lida, no entanto nem sempre compreendida. Não basta tê-la, é fundamental lê-la e analisá-la buscando lições para a vida material e espiritual. Além de compreendê-la, é importante vivê-la e anunciá-la ao próximo.
Segundo Abraham Lincoln: "Estou ultimamente ocupado em ler a Bíblia. Tirai o que puderdes desse Livro pelo raciocínio e o resto pela fé, e, vivereis e morrereis um homem melhor". A rigor, como se diz, a Bíblia é o Livro dos livros.
Toda mensagem positiva, verbal ou escrita, de filósofos, teólogos, cientista, pensadores, escritores, etc, baseia-se nas propostas e ensinamentos bíblicos, isto é, na Palavra de Deus. No amor.

*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado