Pular para o conteúdo principal

Migrantes confiam na sorte ao se lançarem no Mar Negro

“É chamado de Mar Negro não por causa de sua cor, mas em razão do perigo durante as tempestades”

Famílias de migrantes desembarcam na costa europeia, aterrorizadas após uma travessia perigosa: esta cena comum no Mediterrâneo é nova nos portos do Mar Negro, onde as autoridades se questionam sobre esta inédita “rota romena”.
Na quarta-feira, pouco antes do amanhecer, cerca de 150 pessoas, um terço delas crianças, chegaram em Midia, no leste da Romênia, após o resgate de sua embarcação, uma operação que durou mais de 12 horas em um mar agitado.
Foi a quinta embarcação transportando migrantes interceptada desde meados de agosto pelas autoridades romenas.
A chegada de cerca de 570 iraquianos, sírios, afegãos, iranianos e paquistaneses em menos de um mês é algo modesto em comparação com o fluxo registrado no Mediterrâneo, mas este fenômeno é cuidadosamente examinado neste país até agora evitado pelos candidatos ao asilo na Europa.
“É muito cedo” para dizer se essas travessias vão continuar, de acordo com a Frontex, a agência responsável pelas fronteiras externas da União Europeia. Mas “parece indicar que os traficantes estão tentando ressuscitar uma rota através do Mar Negro”, partindo da Turquia, indica seu porta-voz, Krzysztof Borowski.
Em 2014, último ano de uma atividade relativa nesta rota, quase 300 migrantes atravessaram o Mar Negro rumo a Romênia.
Buscando evitar a Grécia, onde os recém-chegados correm o risco de serem expulsos de volta para a Turquia, em virtude de um pacto entre a UE e Ancara, “os traficantes estão procurando migrantes mais medrosos, dizendo-lhes que é uma nova rota, uma rota segura”, explica Mircea Mocanu, chefe da missão da Organização Internacional para as Migrações (OIM) na Romênia.
De acordo com ele, o custo da travessia varia entre 1.000 e 3.000 euros.
Ele não espera um aumento do fluxo de migrantes, dados que é “dez vezes mais difícil atravessar o Mar Negro que o Mediterrâneo” durante o inverno.
“É chamado de Mar Negro não por causa de sua cor, mas em razão do perigo durante as tempestades”, ressalta o comissário Gabriel Cerchez, que participou no resgate de terça-feira.
– ‘Dispostos a tudo’ –
“Até o momento em que o barco entra no porto, existe o risco de ir naufragar”, acrescenta, testemunhando o “pavor” dos passageiros, que foram distribuídos nos seis centros de acolhimento abertos na Romênia.
Outros desafios os aguardam na rota para a Europa Ocidental, onde controles reforçados e cercas levantadas tornam muito difícil atravessar as fronteiras.
No abrigo para refugiados e demandantes de asilo, Tarek, um sírio de 19 anos, diz à AFP que foi preso quando tentava atravessar a fronteira a bordo de um carro.
Embora tenha decidido ficar na Romênia para estudar informática, conta que vários de seus companheiros de infortúnio “estão dispostos a tudo” para deixar o país.
“Os intermediários vêm e perguntam: ‘Você quer ficar ou partir? Conheço uma rota 100% segura para a Alemanha”, relata o jovem, acrescentando que tais “recrutadores” recebem 100 euros por cada migrante.
Não muito longe do centro, cerca de quinze homens estão reunidos em pequenos grupos em um terreno baldio perto de um supermercado, na esperança de encontrar um passador.
Entre eles, Rafi, um paquistanês de 23 anos, e Zakir, um adolescente afegão, que atravessaram a fronteira entre a Sérvia e a Romênia.
Casos como os seus são cada vez mais numerosos, já que passar da Sérvia para a Hungria tornou-se quase impossível devido às cercas de arame farpado implantadas ao longo da fronteira entre os dois países, o que não ocorre nas fronteiras romenas-húngaras.
De acordo com a polícia romena, mais de 1.200 pessoas foram detidas desde o início do ano quando tentavam atravessar a fronteira oeste do país, contra 900 ao longo de 2016. A OIM estima que 80% das tentativas foram frustradas.
Para Tarek, a conclusão é amarga: “um ano e meio da minha vida desperdiçado pela esperança de alcançar a terra prometida”.
(AFP)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…