Pular para o conteúdo principal

Acesso à educação é a chave para reduzir desigualdade

FMI recomenda o aumento das despesas públicas em instituições de ensino para crianças socialmente desfavorecidas

Reduzir as disparidades na educação é crucial para reabsorver a desigualdade de renda, estimou nesta quarta-feira (11) o Fundo Monetário Internacional (FMI), que recomendou o aumento das despesas públicas em instituições de ensino para crianças socialmente desfavorecidas.
“As políticas de educação (…) se distinguem dos demais instrumentos fiscais, na medida em que podem promover o crescimento e a igualdade”, ressalta o Fundo em um relatório publicado no âmbito de suas reuniões de outono (no hemisfério Norte).
O FMI observa que certas desigualdades são inevitáveis num sistema baseado na economia de mercado. Mas expressa sua preocupação com o fato de que “a desigualdade excessiva pode comprometer a coesão social, levando ao enfraquecimento do crescimento econômico”.
O organismo observa que as desigualdades globais diminuíram nas últimas décadas, refletindo um forte crescimento das receitas em alguns países emergentes como China e Índia.
No entanto, as desigualdades variam nos países, tendo aumentado na maioria dos países desenvolvidos, enquanto as tendências são mais heterogêneas em outros países.
Por outro lado, “a diversidade das experiências (…) sugere que não existe uma relação sistemática entre crescimento econômico e redução de desigualdades”.
Numerosas economias desenvolvidas experimentaram assim um aumento das desigualdades em um contexto de crescimento contínuo durante o período 1985-2015.
No mesmo sentido, muitos países em vias de desenvolvimento experimentaram um aumento das desigualdades durante períodos de sólido crescimento econômico.
Nas últimas três décadas, a desigualdade de renda aumentou em 53% dos países.
Para reduzir essas lacunas, o FMI enfatiza a importância da escolaridade. Mas os abismos na escolarização persistem “apesar dos avanços conquistados nas últimas décadas”.
Além disso, a diferença de escolarização entre meninos e meninas é ainda mais acentuada nos países pobres, embora em grande parte tenha sido eliminada em outros países.
Por outro lado, a situação socioeconômica ainda é um fator determinante para o acesso à educação, particularmente nos países em desenvolvimento.
O acesso à educação continua a ser problemático na África Subsaariana, Oriente Médio, Norte da África e, em menor medida, nos países em desenvolvimento da Ásia, América Latina e Caribe, destaca o FMI.
E quando os filhos de famílias socialmente desfavorecidas têm acesso à educação, beneficiam de um ensino de menor qualidade, menos dotado de recursos, materiais pedagógicos e docentes.
Confrontar a redução das desigualdades na educação é possível sem afetar os orçamentos estatais redistribuindo, por exemplo, os gastos públicos em favor das crianças socialmente desfavorecidas e das instituições escolares com menos recursos.
(AFP)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …