Aparecida: 300 anos

Padre Geovane Saraiva*
Pe. Geovane SaraivaGrande é a alegria do jubileu dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, quando, agradecidos, recordamos o inaudito acontecimento, na pesca milagrosa de 1717, no Rio Paraíba do Sul-SP. A comemoração do referido jubileu teve início aos 12 de outubro de 2016, com todo o seu desenrolar e conclusão para 12 de outubro de 2017, com o que foi proposto: celebrar, fazer memória e agradecer. O convite belo e maravilhoso de Maria é o de nos mostrar o caminho certo do seu Filho Jesus, com feliz esperança e gratidão de Deus, como nas palavras tão conhecidas: “Fazei tudo o ele vos disser” (cf. Jo 2, 5). A Virgem Aparecida quer nos ensinar a confiança no Deus das Bodas de Caná, para que não nos falte o vinho da nova aliança, bom e inigualável, segura garantia do nosso alimento rumo ao final feliz da eterna romaria: a Jerusalém celeste.

Resultado de imagem para a padroeira do brasil 300 anosComo católicos, não podemos perder de vista o grande sinal, claro, nítido e seguro: o da presença da mãe de Deus, que quis se estabelecer, com sinais inconfundíveis, num centro de devoção mariana de romaria, como tão bem se canta pelo Brasil afora, em versos e prosa: “Sou caipira, Pirapora nossa / Senhora de Aparecida / Ilumina a mina escura e funda / O trem da minha vida”; tudo para que na força e graça salvadora de Jesus de Nazaré se expressasse e expandisse livremente a vontade de Deus, através de uma mulher que soube recorrer a quem podia socorrer diante da aflição, quando o vinho tinha se acabado. Que o “olhar terno e maternal da Virgem morena e nos olhos da gente simples que nela contemplava o segredo da esperança mova o povo brasileiro a enfrentar com fé e coragem os desafios de cada dia” (Papa Francisco).

Quão maravilhoso é em Maria não se encontrar nada de obstáculo, de imperfeição, de falha! Somos animados, em nossa persistente caminhada do dia a dia, a buscar, triunfantemente, a esperança da vida eterna. Ao encerrar o Ano Mariano do Tricentenário da Padroeira do Brasil, que fique sempre mais clara a nossa missão, de prosseguir nosso caminho rumo ao definitivo, na certeza de que árdua e exigente é a caminhada. Guardemos no coração a seguinte imagem da Santa Mãe de Deus: “É a toda bela, toda pura, toda santa, a glória de Jerusalém, a alegria de Israel, a honra do seu povo, a nossa honra, garantindo o pleno êxito da redenção pela sua íntima participação na obra redentora do seu Filho”. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza -geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado