Dia Mundial dos Animais é comemorado nesta quarta, 4; confira dicas para adotar pets

Criado em 1931, o Dia Mundial dos Animais é celebrado junto a um de seus mais conhecidos protetores, São Francisco de Assis. No mesmo dia 4, o Brasil comemora o Dia Nacional da Adoção Animal, ainda pouco conhecido, com objetivo de conscientizar sobre o abandono de animais de estimação. Em Fortaleza, abrigos estimulam adoções, principalmente de cães e gatos, nesta semana.
 
Maria Bolinha, sem raça definida, é um dos animais disponíveis para adoção (Foto: Divulgação/ONG Abrace)
 

A data promove a adoção responsável, sem preconceito. No Brasil, 41% dos cães com lar fixo não têm raça definida, o popular vira lata. O número foi divulgado em agosto, em pesquisa do Instituto QualiBest, que ouviu 7.084 pessoas. Entre os entrevistados responsáveis por pets soma-se 65% e, desses, 79% têm cães, 39% gatos, 19% aves e 10% peixes. 

“Esses animais já sofreram muito nas ruas. A diferença entre apadrinhar e comprar um pet está no olhar dos adotados: a gratidão pelo lar”, frisa Carol Giffoni, protetora fortalezense e voluntária do grupo Pas.
 

Depois do cão vira-lata, estão as raças Poodle (11%), Pinscher (7%), Labrador (5%), Pit Bull (3%) e Lhasa Apso (3%). O cão sem raça definida é o mais presente nas casas das classes C e D e 33% deles foram encontrados abandonados nas ruas, segundo a pesquisa.

Segundo a protetora Cristiane Justa, presidente da ONG Abrace, a adoção de cães sem raça definida ainda sofre preconceito. “Muitas pessoas chegam logo perguntando qual a raça dos animais e querendo saber se eles 'crescem’. Sendo que outras compram um animal caro, de raça definida, e não dão o mais importante que são os cuidados veterinários e uma boa alimentação”, critica.

 
Outro fator recentemente percebido, de acordo com Cristiane, é o aumento do número de animais de raça abandonados. “Eles se tornam potenciais animais atropelados e conseguem sobreviver até menos que os já nascidos em situação de rua. As pessoas não estão conscientes quando decidem trazer para casa um animal”, lamenta.

Adote
*As instituições não divulgam endereço para evitar abandono próximo de suas unidades

São Lázaro
Fundadora do abrigo São Lázaro, Rosane Dantas convida para o ato responsável de adoção. “São 50 mil animais sem lar fixo, em Fortaleza. Por isso, é importante adotar em vez de comprar. O bichinho vira um membro da família”, defende. Hoje, a instituição abriga 800 animais e depende de novas adoções para abertura de vagas.
 
Feira para adoção de animais adultos acontece nesta quarta, 4, mediante prévio cadastro pelo Facebook (fb.com/saolazaro). Além de mensagens na rede social, o contato pode ser feito pelo e-mail abrigosaolazaro2016@gmail.com. O evento acontece na sede do abrigo, de 8h30 às 14 horas.

Grupo Pas

O grupo Proteção Animal da Sapiranga (PAS) é formado por três voluntárias que atuam desde março de 2015. Amparam cães e gatos em sério estado de saúde, fêmeas grávidas ou paridas e filhotes ou idosos abandonados. Mais de 500 animais já passaram pelo grupo. 
 
 
“São animais que precisam de ajuda, não pediram pra estar na rua. A gente quer mudar a vida deles”, frisa Carol Giffoni, uma das voluntárias do Pas. Lá, evento de adoção deve ocorrer no fim de semana, para ampliar número de visitas pelos interessados. 

O Pas pode ser contactado pelo site www.grupopas.pet e redes sociais:
WhatsApp: (85) 99197.2974
Instagram: @grupopas
Facebook: facebook.com/protecaoanimaldasapiranga

Abrace
Outra ONG que decidiu adiar o dia da comemoração foi a Abrace. A programação será concentrada na sexta-feira, 6, e sábado, 7, para beneficiar voluntários e possíveis interessados. 
 
 

Os critérios de adoção variam conforme a instituição. Uma das principais preocupações dos abrigos é o controle de natalidade, com a castração. Além disso, a posse responsável dos animais de estimação. 

A Abrace, por exemplo, exige que o adotante tenha mais de 18 anos, domiciliado em Fortaleza ou Região Metropolitana e comprove renda suficiente para cuidar e manter o pet. Entrevista e termo de adoção são procedimentos padrões. A partir daí, é necessário apresentar RG, CPF e comprovante de residência para então, se aprovado, levar o novo mascote para casa. A ONG acompanha a adaptação e crescimento do animal.

De acordo com a presidente, Cristiane Justa, os critérios visam a prevenir devoluções. Ainda assim, em média, 30% dos animais adotados são devolvidos. “Um animal requer cuidados veterinários, cuidados com higiene, alimentação adequada e isso requer custos financeiros que as pessoas não estão dispostas a assumir”, completa a protetora.

A Abrace estará em pet shops parceiros, neste fim de semana, comprogramação especial em alusão ao Dia dos Animais. São cães e gatos, filhotes e adultos, disponíveis para adoção:
Quando: sexta-feira, 6, de 16 às 20 horas
Onde: Patas e Manhas (av. Oliveira Paiva, 1495 - Cidade dos Funcionários)

Quando: sábado, 7, de 10 às 16 horas
Onde: N Pet (av. Dom Luís, 600, loja 1 - Meireles)
Contato por WhatsApp: (85) 98812.8654 

LUCAS BRAGA
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

Missão da Unesco faz primeira visita ao Museu Nacional

Bancário faz sua estreia como escritor

Livro aborda a memória crítica da escravidão