´Enem 2017 será o mais seguro da história´, garante ministro da Educação

'A ação do MEC vai na direção de um combate cada vez mais rigoroso e o Enem 2017 será o mais seguro da história'.
'O importante é que os candidatos saibam que, se utilizarem o ponto eletrônico para fraudar a prova, serão pegos'
'O importante é que os candidatos saibam que, se utilizarem o ponto eletrônico para fraudar a prova, serão pegos' (Divulgação MEC)

O ministro da Educação, José Mendonça Filho, disse nesta terça-feira (3) que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano será o "mais seguro da história". A prova está marcada para os dias 5 e 12 de novembro.
"Nenhum programa é imune a tentativas de fraudes, ainda mais com quase 6,5 milhões de inscritos. É impossível ter uma blindagem absoluta. A ação do MEC vai na direção de um combate cada vez mais rigoroso e o Enem 2017 será o mais seguro da história ", disse o ministro, durante evento do Grupo de Líderes Empresariais (Lide) em São Paulo.
Para a edição deste ano, o MEC informou que irá utilizar aparelhos que detectam a utilização de pontos eletrônicos. O ministro não informou quantos equipamentos do tipo estarão disponíveis nos locais de prova. "Não será de forma ampla e não podemos revelar, até mesmo por orientação da Polícia Federal, o número de equipamentos. O importante é que os candidatos saibam que, se utilizarem o ponto eletrônico para fraudar a prova, serão pegos".
Depois de um impasse para o uso de detectores de metal, o ministro também informou que o MEC conseguiu chegar a uma solução, que será anunciada ainda nesta semana, para a utilização dos equipamentos. Segundo ele, serão mais de 29 mil equipamentos do tipo.
Nos últimos anos, a segurança do Enem foi feita com 81,3 mil aparelhos fornecidos pelo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), órgão que era responsável por aplicar e corrigir as provas até a última edição. O contrato foi rescindido neste ano. O MEC alegava ser dono dos equipamentos, mas o Cebraspe alegou que o acervo lhe pertencia. O caso foi levado à Justiça, que entendeu que os equipamentos eram do Cebraspe.
O ministro não detalhou qual foi a solução encontrada.

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP