Massacres e chacinas são lembrados em produções audiovisuais, entre eles o do Carandiru, 25 anos atrás

Massacres e chacinas são lembrados em produções audiovisuais, entre eles o do Carandiru, 25 anos atrás
Imagens do filme "Fuga da Rocinha" (2016), uma das produções recentes que recorda situações de violência vividas no País. Independente e feito com participação deum grupo cearense, filme foi exibido neste ano pela TV Diário
Tinha capacidade para 3.250 vagas, mas mantinha 7 mil presos sob custódia. Essa era a triste realidade do Complexo Penitenciário Carandiru, aberto na década de 1920 e desativado em 2002, após ser palco do maior massacre do sistema prisional do País, em 2 de outubro de 1992. Após 111 presos mortos, 120 policiais indiciados e 77 condenados, ninguém foi preso.
Em memória a essa data, o periódico Brasil de Fato e a produtora Pavio produziram a série "25 anos do Massacre do Carandiru: Terra das Chacinas", especial com vídeos, fotos e textos sobre a chacina.
"Acompanhamos o caso Carandiru desde que ele ia prescrever, em 2010, não aceitamos que prescrevesse porque eram presos que não tinham nem sido julgados, eram presos que estavam na custódia do Estado e eles não podiam ser executados da forma que foram", afirma Débora Maria da Silva, fundadora do Mães de Maio, que participou da realização dos vídeos. O grupo é formado por mães que perderam seus filhos no conhecido Crimes de Maio, em 2006.
Dos 111 presos mortos, 84 não tinham sido julgados. O debate acerca do sistema carcerário e da violência policial se estendem até hoje. Além de rememorar o massacre, a produção põe em pauta o debate sobre políticas públicas, a letalidade policial e o sistema prisional do Brasil. Os vídeos - três no total - também discutem a equivocada ideia de "bandido bom é bandido morto" e de como ela afeta a violência vivida pelas populações nas periferias.
Ecos
O Carandiru e outros grandes massacres seguem como tema de diferentes trabalhos no campo das artes, a exemplo do cinema - a chacina naquele uma vez já considerado maior presídio da America Latina foi, por exemplo, revivida no longa "Carandiru", de Héctor Babenco. Já a série do Brasil de Fato e da Pavio traz o contexto histórico do ocorrido, suas consequências e como as pessoas veem e entendem o Carandiru hoje e as políticas públicas criadas devido ao fato.
"Terra das Chacinas: 25 anos do Massacre do Carandiru" inclui os vídeos "2 de outubro", de 5 minutos; "Exceção Permanente" (9 minutos); e finaliza com "Inimigo Interno" (13 minutos), com produção de Igor Carvalho e roteirização dele e de André Godinho.
"Os 25 anos do massacre do Carandiru foram eclipsados pelo recente massacre de Las Vegas e a mídia acabou deixando de lado os 25 anos de uma resposta que a sociedade precisa. Por isso achamos necessário participar, porque isso multiplica nosso grito, nossas vozes, nossas reivindicações", afirma Débora Maria.
Periferia nas telas
Uma determinada forma como a periferia é retratada nos cinemas já está no imaginário das pessoas. Filmes como "Cidade de Deus" (2002), "Tropa de Elite" (2000 e 2007) e Última Parada 174" (2008), são longas com grande representatividade, tanto nacional como internacionalmente. "Não só a Rocinha, mas as comunidades em geral são retratadas de maneira superficial, através de personagens unidimensionais. Bem e mal, certo e errado, com se na realidade fosse tudo tão simples assim", afirma Antônio Júnior, diretor e roteirista do filme "Fuga da Rocinha" (2016).
Independente, o longa-metragem de ficção foi produzido pela MáKina Cultural (RJ) em parceria com o coletivo Aquarela Cariri, de Juazeiro do Norte (CE), como parte de um projeto social realizado com jovens moradores das comunidades da Rocinha e do Vidigal, com apoio da AMABB (Associação de Moradores da Rocinha) e da Rede Coletiva da Rocinha.
O filme tenta fugir da lógica maniqueísta, ao propor uma abordagem sem estereótipos, com foco nas relações de amizade e no drama familiar das famílias que perdem entes queridos para o tráfico. Há um aprofundamento dos personagens, sem opiniões pré-estabelecidas, mas a partir de diferentes pontos de vista para o espectador tirar suas próprias conclusões.
O áudio de tiros do filme são reais. Foram gravados e fornecidos aos produtores. "Isso foi algo espontâneo e não fazia parte da ideia original. Acontece que durante o período de gravação, como toda comunidade sabia que estávamos fazendo um filme, os atores recebiam áudios dos tiroteios e me repassavam como um alerta para eu não ir à Rocinha. Esse tipo de acontecimento, infelizmente, é bem comum, então pensei em utilizar o áudio para demonstrar como os moradores ficam no meio desta situação", explica o diretor.
Durante as gravações alguns alertas chegavam com antecedência e o filme parava de ser gravado. "Um dia começou uma operação enquanto já estávamos lá e tivemos que permanecer por horas na sede da rede coletiva da Rocinha, aguardando", confidencia Antônio.
As gravações na comunidade começaram a ficar mais perigosas, até finalmente serem transferidas para o morro do Vidigal. Com o sucesso na internet, em 2016 o longa foi exibido no 7º Festival de Cinema Independente de São Paulo, onde concorreu nas categorias de Melhor Longa-metragem, Roteiro, Ator Coadjuvante e Trilha Sonora. Atualmente o longa está disponível no canal da produtora no YouTube.

Mais informações:
"25 anos do Massacre do Carandiru: Terra das Chacinas": www.brasildefato.com.br/2017/09/29/terra-das-chacinas/

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões

Capela revestida por milhares de ossos é ponto turístico excêntrico em Portugal