Quatro obras de Sérvulo Esmeraldo voltarão para a Cidade restauradas

Foto: Mateus Dantas
Sob o telhado de amianto da Metalúrgica Santa Luzia, na avenida Presidente Castelo Branco (bairro Cristo Redentor), repousa uma estrutura de aço policromado formada por discos circulares. É Pulsação, escultura projetada por Sérvulo Esmeraldo em 1980, que, ao lado de três outras obras, voltará a integrar a paisagem urbana de Fortaleza. O artista notável, que morreu em fevereiro desse ano, sonhava em transformar a Cidade em um “museu a céu aberto”. E o desejo — a depender de sua esposa e guardiã — Dodora Guimarães, se tornará realidade.
Graças a iniciativa do Instituto Sérvulo Esmeraldo, estão sendo recuperadas também, a escultura em aço Infinito, de 1983, que está instalada na Praça General Murilo Borges; a escultura-fonte Ballet Gráfico, de 2002, instalada na Praça da Sé e que receberá paisagismo, iluminação e placa indicativa; e a escultura cinética La FemmeBateau, o “barquinho”, datado de 1994, já recuperada e devolvida à Ponte dos Ingleses.
Dodora narra que Sérvulo deixou dezenas de instruções, em pastas avulsas e cadernos, explicando como deveriam ocorrer as restaurações. Há, também, projetos de novas obras ainda intocados. “Ele tinha chegado a um ponto particularizado na história da arte cinética, ele inventou um tipo de arte que só ele fez e chamou de excitáveis. Mas Sérvulo estava no Exterior e abriu mão dessa pesquisa para viver em Fortaleza. É nesse momento que ele troca os excitáveis pela arte pública. Ele negociou isso”, explica Dodora, falando sobre a volta de Sérvulo ao Ceará, no fim da década de 1970. Na Europa e nos Estados Unidos, ele é artista aplaudido e é considerado dono de uma obra inigualável e sem precedentes.
Para o trabalho de recuperação das obras, a guardiã da memória de Sérvulo buscou o homem que ganhou a confiança do artista nas últimas décadas: Ari Josino. Comandante da Metalúrgica Santa Luzia, ele é responsável pelas esculturas de Sérvulo Esmeraldo, de maior ou menor porte, desde o início dos anos 2000. “Para a realização dessas obras, é necessário que o construtor entre na sintonia. E também seja movido a algo que pertence ao reino dos artistas: a paixão”, reflete Dodora.
É na metalúrgica-ateliê — cheia de caixas, tintas, luzes e metais — onde são seguidas as instruções deixadas por Sérvulo e criadas soluções para problemas de operação que surgem no processo criativo. “É um envolvimento na alma do artista”, explica Ari, que já fez restauração da obra La FemmeBateau anteriormente. Sérvulo, explica Dodora, além de anotações minuciosas em cadernos, construía maquetes das obras. A peça que representa Pulsação, repousada sobre a mesa de Ari, servirá como guia para as cores de cada disco. A obra ainda não tem local de instalação definido.
Quarenta obras públicas ou integradas a arquitetura foram erguidas por Sérvulo Esmeraldo em Fortaleza. O desejo de Dodora é revitalizar cada uma, criando, inclusive, mecanismos para manutenção e conservação das peças, além de sinalizar a autoria do artista - muitas vezes desconhecida do público. “Quando digo que a restauração dessas quatro obras é um começo, é porque pretendo restaurar e conservar toda a obra dele. E até avançar. Ele deixou muitos projetos. E eu quero ter forças para conseguir realiza-los”, finaliza Dodora Guimarães.
ISABEL COSTA

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

14 etnias não têm seu idioma original preservado no Estado do Ceará

Intolerância: arma dos preconceituosos

Começa em todo o país a 12ª Primavera dos Museus