Pular para o conteúdo principal

Um financiamento coletivo para o livro Maricota, de Déborah Paiva

Déborah Paiva é artista popular e agroecóloga. Juntou um punhado de ideias, papeis, lápis,  computador, boas ideias e disposição para escrever o livro Maricota: quero sombra, comida e água fresca, livro infantil que pretende aproximar as crianças do conceito de vermicompostagem. “Acredito que se as crianças se habituarem a melhorar a destinação de seus resíduos orgânicos e entender o ciclo do alimento desde o plantio até a processo final do adubo orgânico, conseguirão despertar a tomada de consciência ecológica que o planeta necessita. Portanto, eu sinto que o livro tem o objetivo de servir como material de apoio ao conhecimento que as crianças já trazem”, explica Déborah.
Para que o  livro seja impresso, entretanto, ela precisa contar com o apoio de leitores, amigos e colaboradores em uma campanha de financiamento coletivo. Lançado no site Benfeitoria, o projeto precisa arrecadar R$ 10 mil e, até a publicação dessa matéria, já havia alcançado 34% da meta e atingido a marca de 50 “benfeitores”.
Arte do livro
“Os livros são inovadores porque não há livros que abordam conteúdos de agroecologia para crianças na perspectiva que eu apresento, somando a teoria à prática”, explica Déborah, que, na publicação, fez uma espécie de tradução da linguagem científica para o universo infantil. “Eu espero alcançar ao menos a meta inicial para conseguir disseminar os livros. A campanha vai ao ar até o dia 20 de outubro, por isso, estou aceitando todas as maneiras de contribuição”, pontua a jovem escritora. Nos livros, ela tem como personagens a minhoca Maricota, a Dona Valentina e o Seo João.
“Meu interesse pela literatura começou desde a pré-adolescência por interesse próprio, minha família nunca me incentivou à leitura. Aos 17 anos, eu entrei em contato de uma maneira mais aproximada com o universo da literatura através de um excelente professor de português que tive no ensino médio e me encantei ainda mais”, explica a autora.

Além do livro

No projeto, Débora desenvolveu também o Cordel da Composteira, o livro para colorir da Maricota e o jogo de tabuleiro da Maricota. Quem apoiar a campanha poderá levar um desses itens (ou todos) como recompensas, além de ter o nome nos agradecimentos.
Serviço
Para colaborar com Maricota
Apoios até 20 de outubro
Link: Benfeitoria

Blog O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …