Pular para o conteúdo principal

XI Bienal de Dança encerra este fim de semana, com destaque para espetáculos em Itapipoca

Trecho do espetáculo "Solo de Barro: Primordia", com Nivea Jorge e Viana Jr. em cena
Nivea Jorge passou uma década longe da dança. Quando voltou a esta arte, a bailarina estava em outra fase, havia passado por transformações que ficaram inscritas em seu retorno. Depois do hiato, Nivea Jorge voltou feita intérprete-criadora, apresentando seu primeiro trabalho. "Solo de Barro - Primordia" estreou no ano passado e, neste sábado (28), será uma das atrações XI Bienal Internacional de Dança do Ceará.
A apresentação de "Solo de Barro - Primordia" acontece hoje, às 19 horas, no Galpão da Cena (rua Raimundo Lopes de Souza, 331 Coqueiro), em Itapipoca. A ação integra a programação da Bienal no Interior do Estado. Além de Itapipoca, Aquiraz, Juazeiro do Norte, Paracuru, Sobral e Trairi receberam espetáculos do evento.
Itinerâncias
O espetáculo "Solo de Barro - Primordia" foi construído a partir de uma vivência em zigue-zague. A pesquisa cênica começou na capital cearense, em Messejana. A primeira parada foi a Olaria de Seu Heitor, acompanhando a transformação do barro em objetos utilitários; passou pela imersão na vida e na criação da comunidade de Alegria, de Ipu, que vive da criação de peças desta matéria prima; e pela Orquestra Uirapuru, de Cascavel, que toca com instrumentos de barro. Outro campo de pesquisa importante foi Itapipoca, onde a bailarina vive e encontrou comunidades produtoras de artefatos em barro.
Destes lugares, Nivel tirou referências para uma dança centrada em "Movimentações inspiradas na plasticidade do barro". Ela apresenta o espetáculo ao lado de Viana Jr., bailarino e percussionista da Cia. Balé Baião, de Itapipoca.
Há ainda uma referência ao sagrado - e não apenas ao mito judeu-cristão da criação do homem. A dança aponta para o orixá Nàná Buruku (ou Nanã Buruquê), senhora das águas paradas dos lagos e lamacentas dos pântanos. Nos dois casos, trata-se da passagem, do inanimado para a vida cheia de alma e desta, mais uma vez, para o barro.
O espetáculo já participou da Mostra Performática Intenções 2015, em Itapipoca, ainda como uma instalação, chamada apenas "Barro". Em formato experimental, "Solo de Barro" foi contemplado no Edital Temporada de Arte Cearense 2016 - Mostra de Dança Experimental e ficou em cartaz durante o mês de abril no Teatro Dragão do Mar. No mesmo ano, foi apresentado no Dança à Deriva - 4ª Mostra Latino-Americana de Dança Contemporânea, em São Paulo e no Memórias de Baobá, em Fortaleza. Até o fim de 2017, o espetáculo fará mais cinco apresentações no Estado do Ceará incluindo Fortaleza.
Destaques
A 11ª edição da Bienal Internacional de Dança do Ceará chega ao fim no domingo. Sexta e sábado, estará no Galpão da Cena, em Itapipoca, com espetáculos a partir das 19 horas. Em Fortaleza, vai até dia 29, com apresentações no Centro Cultural Banco do Nordeste, Sesc Iracema e Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Toda a programação é gratuita.
A Cia. Rebentos abre hoje a programação em Itapipoca com "Solos proibidos em tempos de intolerância", às 19h. Em seguida, Diogo Braga e Thales Luz apresentam "Ossuário"; e Luiz Otávio Queiroz participa da Bienal com o solo "Z O O M - o processo em foco". No sábado, o espetáculo de Victor Hugo Portela, "KKKK", que encerra o evento na cidade.
Programação
Dia 27
19h - "Solos proibidos em tempos de intolerância" - Cia Rebentos
21h - "Ossuário" - Diogo Braga e Thales Luz
22h - "Z O O M - o processo em foco" - Luiz Otávio Queiroz
Dia 28, a partir das 19h
19h - "Solo de Barro: Primordia" - Nivea Jorge e Viana Jr.
21h - "KKKK" - Victor Hugo Portela
Local
Galpão da Cena - Rua Raimundo Lopes Souza, 331 - Violete.
Itapipoca CE)
Mais informações:
XI Bienal Internacional de Dança do Ceará - Até o dia 29 de outubro. Programação completa no site: www.bienaldedanca.com
Contato: (85) 3231.9623
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …