Começa hoje a I Bienal Internacional de Teatro do Ceará tem como tema o feminino

A aula-espetáculo Kali, de Adelice Souza (BA) ISABEL GOUVEIA/DIVULGAÇÃO
A aula-espetáculo Kali, de Adelice Souza (BA) ISABEL GOUVEIA/DIVULGAÇÃO
Eis que surge um novo evento de debate e fruição das artes cênicas no Estado. É a Bienal Internacional de Teatro do Ceará (BITCE), que começa hoje na Capital e tem programação que se estende por Juazeiro do Norte, Crato e Sobral reunindo 44 atrações em 57 apresentações. O tema desta primeira edição é “Teatro, Mito e Feminino: Conexões” e dá protagonismo às artistas com espetáculos que enfocam as múltiplas formas de ser mulher. A abertura oficial é às 9 horas e tem início com seminário que reúne nove pesquisadoras em ciclos de debates que vão até às 17h30min no Centro Cultural Banco do Nordeste.
“A Bienal já nasce compreendendo o teatro no sentido amplo, que vai muito além da estética e da linguagem. Queremos um público maior, não apenas o do teatro, incluindo o Estado em sua multiplicidade e os movimentos sociais”, afirma Rejane Reinaldo, diretora da Escola Livre da Boca Rica, e idealizadora do evento, que é gestado há três anos. Sobre o tema, Rejane, que pesquisa as amazonas e outras guerreiras, explica que surgiu naturalmente na busca por unir sua pesquisa às questões pulsantes na atualidade. “Não pegamos só os mitos gregos, mas os africanos, os amazônicos. A mitologia é um grande aliado do teatro, a dramaturgia mundial é embasada assim (a partir desses heróis)”, explica.
O espetáculo Amazônicas, poéticas do mundo, de Acácia Mié (AM) TAMIRIS LIMA/DIVULGAÇÃO
O espetáculo Amazônicas, poéticas do mundo, de Acácia Mié (AM) TAMIRIS LIMA/DIVULGAÇÃO
A pesquisadora Hebe Alves, da Universidade Federal da Bahia, é uma das convidas do seminário, que reúne ainda nomes como Cecilia Raiffer (Universidade Regional do Cariri) e Teresa Esmeraldo (Universidade Estadual do Ceará), entre outras. “É o momento adequado para discutir o feminino. É um tema emergencial para o País refletir sobre a mulher ao longo da história e como o feminino organiza sua história no campo da arte”, pondera. Hebe aponta a importância de incluir mulheres de diferentes lugares num debate sobre teatro e mito. “Debatemos uma mulher que não é local e sim um conceito mais integral”.
A partir de estudos sobre as personagens femininas do dramaturgo Nelson Rodrigues (1912-1980), a pesquisadora baiana vai discutir, nos ciclos de debates, sobre esses cruzamentos entre ficção e realidade. “Nelson tinha falas reacionárias, machistas, mas, ao mesmo tempo, surpreendia a partir de personagens que tinham uma postura diferenciada de fuga desse controle da época em que ele vivia”, narra. Entre os outros temas e personagens apresentados estão a beata Maria de Araújo, Bárbara de Alencar e a deusa indiana Kali.
O evento tem espaço para diferentes linguagens artísticas. A exemplo da banda Ghetto Roots, que apresenta o espetáculo Traficando Poesias. “A partir do rap e do reggae, falamos da Dandara dos Palmares como esse sinal de resistência de uma líder, símbolo de empoderamento feminino”, afirma Carolina Rebouças, cantora, compositora e MC. Para ela, é importante que um evento “grandioso” como esse foque na produção feminina. “Vivemos uma situação extremamente desigual, estamos em desvantagem desde que o mundo é mundo”, confronta.
Interior e exterior
A Bienal será dividida em duas etapas: na primeira fase contemplará artistas da Espanha e do Brasil (Amazônia, Bahia, Ceará e Pernambuco) e terá como palco as cidades de Fortaleza (14 a 20/11), Juazeiro do Norte (17 e 18/11), e Crato (19 e 20/11). A segunda parte do evento vem com Itália, França, Portugal e Brasil, tendo como palco, além dos três municípios, a cidade de Sobral (8 a 20/03 de 2018). Em novembro, a programação internacional fica a cargo do espetáculo Periplo Varieté, da companhia Periplo Marionetas, de Madri, que apresenta, a partir de marionetes, mitos femininos do universo de Hollywood como Marilyn Monroe.
PROGRAMAÇÃO
Bienal de Teatro
Hoje - BNB (Fortaleza)
9 horas - Solenidade de abertura com Projeto Amazonas e Projeto Iracema
9h30min às 17h30min - Seminário Internacional Teatro, Mito e Feminino: Conexões
13 horas - Espetáculo Cassandra - Lua Ramos
17 horas - Espetáculo As Troianas - Francinice Campos
19 horas - Aula-espetáculo Kali. Drama-oração. Adelice Souza
Amanhã - Teatro Boca Rica
19 horas - Espetáculo: Amazônicas, poéticas do mundo (MA)

SERVIÇO
I Bienal Internacional de Teatro do Ceará
Quando: de hoje a 20 de novembro
Onde: Fortaleza, Juazeiro e Crato
Programação gratuita
Outras informações: facebook.com/TeatroDaBocaRica

RENATO ABÊ
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado