Denúncias de assédio sexual colocam em xeque participação de Gadot em novo 'Mulher-Maravilha'

A atriz, protagonista do longa da heroína do Universo DC, quer que a Warner Bros pare de ter qualquer tipo de relação com Brett Ratner, acusado de assédio sexual.

Gal Gadot, a Mulher-Maravilha: 'Eu estou com todas as corajosas mulheres que enfrentaram seus medos e estão falando'.
Gal Gadot, a Mulher-Maravilha: 'Eu estou com todas as corajosas mulheres que enfrentaram seus medos e estão falando'. (Divulgação)

Segundo informações do site Page Six, Gal Gadot, protagonista de Mulher-Maravilha, não quer fazer outro filme com a Warner Bros até que a empresa pare de ter qualquer tipo de relação com Brett Ratner e a produtora dele, a RatPac-Dune Entertainment. Gadot teria tomado essa decisão após artistas como Olivia Munn (The Newsroom), Natasha Henstridge (As Espiãs) e Ellen Page acusarem Ratner de assédio sexual.
Ainda de acordo com o Page Six, a RatPac-Dune Entertainment participou da produção de Mulher-Maravilha, como parte de um acordo financeiro com a Warner Bros. O filme arrecadou mais de US$ 400 milhões ao redor do mundo, lucro que beneficiou a empresa de Ratner. Um funcionário da Warner Bros afirmou ao veículo que a atriz não vai voltar a interpretar a heroína caso não haja mudanças.
Em outubro, após as acusações de assédio explodirem em Hollywood Gadot fez um post em sua conta oficial no Instagram com a seguinte mensagem: "Eu estou com todas as corajosas mulheres que enfrentaram seus medos e estão falando. Estamos juntas nesses tempos de mudança", disse ela.

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

15 de novembro de 1889

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA