Livro de Amós

Gonzaga Mota*
Situando-nos, historicamente, dentro da mensagem bíblica, Amós foi um pastor de ovelhas, na cidade de Judá, chamado por Deus para anunciar a sua proposta em Israel. Isso ocorreu em 750 antes de Cristo, durante o reinado bastante próspero de Jeroboão II. A situação de Israel evidenciava um progresso material significativo, porém concentrado numa minoria de privilegiados.
Em nome de Deus, o "Profeta da Justiça" (Amós), denunciou a injustiça, a opressão e as ações corruptas. "Em vez disso, quero que haja tanta justiça como as águas de uma enchente e que a honestidade seja como um rio que não para de correr" (Am 5:24). Sua missão foi extremamente difícil e arriscada, pois enfrentou nações e pessoas poderosas, tanto do ponto de vista político, como econômico. Dizem os estudiosos que o livro de Amós não é o primeiro, ao considerarmos a literatura profética, mas a sua leitura permite compreendermos outras profecias.
Ademais, podemos concluir que um profeta assimila uma mensagem divina e a transmite a outras pessoas. As palavras anunciadas pelos profetas são eternas, não possuem uma data limite. Referindo-se, especificamente, a Amós deduzimos que suas apreensões não se limitavam a Israel. São válidas até hoje e no futuro também as serão. Ao condenar a corrupção, a opressão e a injustiça, está mostrando a desonestidade, a ganância, a falta de liberdade, de solidariedade, de humildade, enfim, de amor. Para refletir, vale lembrar Montesquieu: "O pior governo é o que exerce a tirania em nome das leis e da justiça" e o nosso saudoso Ulysses Guimarães: "A corrupção é o cupim da República".
*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado