"SIM" à força do Evangelho

Padre Geovane Saraiva*

Cresce a consciência de que a vida humana é uma verdadeira aventura, à medida que os cristãos compreendem a proposta do grande mergulho em Deus, nos passos de Jesus de Nazaré, no mistério da cruz, de viver a fé em comunidades, na busca da glória e da felicidade definitiva. Eis a aventura que os transforma em bem-aventurados, esperançosos de participar da comunhão eterna. É a felicidade apocalíptica, a da veste nova do batismo, lavada e alvejada no sangue do Cordeiro, juntando-se à multidão dos que já foram glorificados.
São os apelos de Deus por uma vida santa. Podemos tomar como exemplo o Evangelho de Marta e Maria, que, no ensinamento de Jesus a Marta e aos cristãos, todos possam ser convertidos. Jesus não censura o trabalho de Marta, mas apenas quer revisar sua vida, como um presente do Pai para todas as pessoas que nele acreditam e por ele são capazes de se aventurar, na entrega da própria vida (cf. Lc 10, 38-42), não podendo ir contra, pelo contexto didático do serviço, do ensinamento e do exemplo generoso da acolhida, compreendida como o que existe de mais belo e elevado, mistério indizível de amor, dom e graça de Deus, mas que precisa, a todo custo, ser conquistada.
Resultado de imagem para jesus na  casa marta e maria
A expressão "O cristão do futuro ou será místico ou não será cristão", do grande teólogo Karl Rahner, Dom Helder Câmara compreendeu em toda a sua plenitude, ao viver o sonho de que um mundo melhor era possível, ao externar: “Se eu pudesse, sairia povoando de sono e de sonhos as noites mal dormidas dos desesperados”. Somos chamados a dizer "não" à religião da aparência e "sim" à força que vem do exemplo: "Não devemos considerar-nos superiores aos outros; a modéstia é essencial para uma existência que quer estar conforme o ensinamento de Jesus, o qual é manso e humilde de coração e veio, não para ser servido, mas para servir” (Papa Francisco, 05/11/2017).
Cristãos de boa conduta são alinhados com o projeto de Deus, do maior ao menor, identificados e coerentes com o Evangelho de Jesus. Certa vez Dom Helder confidenciou: “Uma de minhas maiores emoções, em toda a minha vida, foi quando da abertura da primeira sessão do Concílio Vaticano II”, comovendo-se com as palavras de São João XXIII: “Aqui estamos para a nossa conversão” e ele mesmo se incluía. Isso significava que nós, cristãos, padres e bispos, e até o Papa, precisávamos voltar às origens do cristianismo e reaprender o Evangelho. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza -geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

José, servo bom e fiel

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões