A arte da pizza napolitana entra na lista de Patrimônio Imaterial da Unesco

Os fabricantes de pizza napolitana posam depois de preparar pizzas no museu Capodimonte, que hospedava o primeiro forno de pedra onde se preparava Pizza Margherita, em 6 de dezembro de 2017, em Nápoles (FOTO: AFP / TIZIANA FABI)
A arte dos "pizzaiolo" napolitanos, que deu fama mundial a esta especialidade da cozinha italiana, entrou nesta quinta-feira para a lista de Patrimônio Imaterial da Humanidade da Unesco.
A decisão foi adotada pelo Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, que se reúne desde segunda-feira na ilha de Jeju, na Coreia do Sul.
Dois milhões de pessoas assinaram a petição mundial para apoiar a candidatura desta arte praticada atualmente em Nápoles por quase 3.000 'pizzaiolo" e que, segundo os promotores da iniciativa, "desempenha um papel essencial na vida social e na transmissão entre gerações".
O presidente da associação de pizzaiolos napolitanos, Sergio Miccù, havia prometido comemorar a eventual entrada de sua arte na lista de patrimônio imaterial com a distribuição de pizzas nas ruas.
Além do espetacular manejo da massa, esta é uma habilidade culinária que associa canções, sorrisos, técnica, espetáculo, iniciada no século XVI, ressaltava a candidatura italiana.
"Vitória!", escreveu no Twitter Maurizio Martina, o ministro italiano da Agricultura.
"Identidade enogastronômica italiana cada vez mais defendida no mundo", completou.
"Longa vida à arte do pizzaiolo napolitano!", tuitou Pecoraro Scano, que já foi ministro da Agricultura.
A lista de patrimônio imaterial, criada em 2003, contava antes da reunião deste ano com mais 365 tradições ou expressões vivas, entre elas o flamenco espanhol, a cerveja belga, a filosofia milenar da ioga, entre outras.
Esta semana em Jeju, o comitê deve examinar 34 candidaturas. Cinco tradições latino-americanas entraram na lista entre quarta-feira e quinta-feira: Os Os cantos de trabalho do Llano colombiano-venezuelano, a Feira de Alasita na Bolívia, o ponto cubano, o sistema peruano de juízes de água de Corongo e as técnicas artesanais do sombreiro pintão panamenho.


AFP
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado