Lei Rouanet seguirá nova instrução normativa

A partir desta sexta (1º), a Lei Rouanet, mecanismo criado em 1991 para incentivar projetos culturais em âmbito federal, passa a ser regida por nova instrução normativa. As mudanças foram divulgadas nesta quinta-feira pelo Ministério da Cultura durante o 9º Encontro do Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.
Segundo o ministro Sérgio Sá Leitão, que estava presente, elas visam desburocratizar os processos de aprovação de projetos e diversificar as possibilidades de patrocínio.
Outro foco é permitir maior distribuição de projetos incentivados pelo território nacional - atualmente, há concentração na região Sudeste, mais especificamente no Rio de Janeiro e em São Paulo.
Segundo o ministro, haverá vantagens para produtores culturais de fora deste eixo. Uma das ferramentas é a ampliação dos limites numéricos de projetos que podem ser aplicados em outros Estados.
Para reverter o mesmo contexto, o ministro também prevê uma atuação corpo a corpo. "Temos que persuadir empresas estabelecidas nessas regiões a utilizarem e lei".
"Nós temos um grande contingente na região centro-oeste de empresas do agronegócio que não têm a tradição de utilizar a lei. Estamos planejando com governos e prefeituras uma forma de convidá-las a participar do processo", complementa o ministro.
Teto
Desde a criação da lei, o governo dedicou, por meio de incentivo fiscal, R$ 16,4 bilhões a projetos de cinema, teatro, dança, exposições, literatura e outros. Foram 50.396 projetos realizados. O teto anual não tem variado, ficando entre R$ 1,1 bilhão e R$ 1,2 bilhão.
Esse é o valor máximo que o ministério pode dedicar à Rouanet por ano, e um dos objetivos do ministério é fazer com que o valor seja sempre atingido integralmente, o que não tem acontecido.
A diferença entre o teto e o que de fato é captado tem sido de cerca de R$ 50 milhões a R$ 100 milhões anuais, segundo o MinC. É uma verba que poderia ser utilizada pela cultura, mas fica travada na União. "Uma das metas é buscar atingir em 100% a utilização desse teto", diz Sá Leitão.
Segundo o ministro, cai também a exigência de experiência prévia na aplicação de projetos, o que era, diz, "uma barreira sobretudo para a produção de artistas jovens".
Um tópico importante é que a nova instrução normativa também amplia as possibilidades de patrocínio. Segundo o texto antigo, só empresas que declaravam imposto sobre lucro real podiam deduzir os valores em suas declarações. Empresas que declaram imposto sobre lucro presumido agora também poderão participar.
O microempreendedor individual (MEI) poderá patrocinar projetos em valor até R$ 1,5 milhão. Antes, o limite era fixado em R$ 700 mil.
A simplificação do texto da instrução normativa também foi um tópico abordado pelo ministro. Ele diz que o número de artigos cai de 136 para 73 na nova proposta.
O teto do valor incentivado por proponente também sobe dos atuais R$ 40 milhões para R$ 60 milhões, e deixa de valer a regra segundo a qual esses R$ 60 milhões não poderiam ser utilizados em um único investimento, uma vez que o limite era de R$ 10 milhões por projeto.
O limite do valor médio do ingresso cobrado por evento ou sessão cresceu, de R$ 250, para R$ 375. O prejuízo aqui será do público, que verá subirem os valores de entrada de projetos incentivados.
No encontro, Sá Leitão combateu a ideia de que a Lei Rouanet trouxe prejuízos ao país por causa da corrupção.
"Esbarramos nessa incompreensão e há hoje uma série de jurisprudências no âmbito dos órgãos de controle que expressam visão equivocada da cultura e da lei de incentivo".
Segundo ele, os incentivos fiscais à cultura representam 0,64 % do total de incentivos fiscais do País.
Ajustes
O texto da Instrução Normativa ainda não está disponível online, no site do Ministério da Cultura (www.cultura.gov.br). Anunciada na quinta-feira, a instrução normativa é a quarta do tipo, publicada pelo Governo este ano. A primeira foi editada em março.
(Com informações da Folhapress)

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado