Pular para o conteúdo principal

Lei Rouanet seguirá nova instrução normativa

A partir desta sexta (1º), a Lei Rouanet, mecanismo criado em 1991 para incentivar projetos culturais em âmbito federal, passa a ser regida por nova instrução normativa. As mudanças foram divulgadas nesta quinta-feira pelo Ministério da Cultura durante o 9º Encontro do Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.
Segundo o ministro Sérgio Sá Leitão, que estava presente, elas visam desburocratizar os processos de aprovação de projetos e diversificar as possibilidades de patrocínio.
Outro foco é permitir maior distribuição de projetos incentivados pelo território nacional - atualmente, há concentração na região Sudeste, mais especificamente no Rio de Janeiro e em São Paulo.
Segundo o ministro, haverá vantagens para produtores culturais de fora deste eixo. Uma das ferramentas é a ampliação dos limites numéricos de projetos que podem ser aplicados em outros Estados.
Para reverter o mesmo contexto, o ministro também prevê uma atuação corpo a corpo. "Temos que persuadir empresas estabelecidas nessas regiões a utilizarem e lei".
"Nós temos um grande contingente na região centro-oeste de empresas do agronegócio que não têm a tradição de utilizar a lei. Estamos planejando com governos e prefeituras uma forma de convidá-las a participar do processo", complementa o ministro.
Teto
Desde a criação da lei, o governo dedicou, por meio de incentivo fiscal, R$ 16,4 bilhões a projetos de cinema, teatro, dança, exposições, literatura e outros. Foram 50.396 projetos realizados. O teto anual não tem variado, ficando entre R$ 1,1 bilhão e R$ 1,2 bilhão.
Esse é o valor máximo que o ministério pode dedicar à Rouanet por ano, e um dos objetivos do ministério é fazer com que o valor seja sempre atingido integralmente, o que não tem acontecido.
A diferença entre o teto e o que de fato é captado tem sido de cerca de R$ 50 milhões a R$ 100 milhões anuais, segundo o MinC. É uma verba que poderia ser utilizada pela cultura, mas fica travada na União. "Uma das metas é buscar atingir em 100% a utilização desse teto", diz Sá Leitão.
Segundo o ministro, cai também a exigência de experiência prévia na aplicação de projetos, o que era, diz, "uma barreira sobretudo para a produção de artistas jovens".
Um tópico importante é que a nova instrução normativa também amplia as possibilidades de patrocínio. Segundo o texto antigo, só empresas que declaravam imposto sobre lucro real podiam deduzir os valores em suas declarações. Empresas que declaram imposto sobre lucro presumido agora também poderão participar.
O microempreendedor individual (MEI) poderá patrocinar projetos em valor até R$ 1,5 milhão. Antes, o limite era fixado em R$ 700 mil.
A simplificação do texto da instrução normativa também foi um tópico abordado pelo ministro. Ele diz que o número de artigos cai de 136 para 73 na nova proposta.
O teto do valor incentivado por proponente também sobe dos atuais R$ 40 milhões para R$ 60 milhões, e deixa de valer a regra segundo a qual esses R$ 60 milhões não poderiam ser utilizados em um único investimento, uma vez que o limite era de R$ 10 milhões por projeto.
O limite do valor médio do ingresso cobrado por evento ou sessão cresceu, de R$ 250, para R$ 375. O prejuízo aqui será do público, que verá subirem os valores de entrada de projetos incentivados.
No encontro, Sá Leitão combateu a ideia de que a Lei Rouanet trouxe prejuízos ao país por causa da corrupção.
"Esbarramos nessa incompreensão e há hoje uma série de jurisprudências no âmbito dos órgãos de controle que expressam visão equivocada da cultura e da lei de incentivo".
Segundo ele, os incentivos fiscais à cultura representam 0,64 % do total de incentivos fiscais do País.
Ajustes
O texto da Instrução Normativa ainda não está disponível online, no site do Ministério da Cultura (www.cultura.gov.br). Anunciada na quinta-feira, a instrução normativa é a quarta do tipo, publicada pelo Governo este ano. A primeira foi editada em março.
(Com informações da Folhapress)

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/