A voz de Deus

Padre Geovane Saraiva*
O absoluto de Deus é mistério e comunhão indizíveis, a partir de uma fé firme e segura. Como parte da família dos filhos de Deus, totalmente aberta e voltada ao mistério a nos envolver, lembro-me das palavras de Dom Helder: “Quando as palavras somem, quando os cuidados adormecem, quando nos entregamos, de verdade, nas mãos do Senhor, o grande silêncio nos mergulha na paz, na confiança, na alegria… E a voz de Deus se faz ouvir”. É a voz de Deus que nos leva a acreditar na Sua palavra, sempre criadora e vivificadora, caso a acolhamos com humildade, na certeza de contarmos com sua misteriosa presença.
Sua voz clama aos cristãos de hoje, dentro da comunidade dos batizados, assim como clamou e penetrou no coração do mundo no decorrer dos séculos em toda a sua plenitude. Voz de Deus muitas vezes no silêncio da noite, exemplo concreto de Deus falando a Samuel, numa profunda paz e sossego (cf. 1Sm 3, 3-10). Só mesmo a partir de um espírito aberto, tranquilo e calmo é possível ouvir, perceber e acolher a voz inspiradora de Deus. Jesus, na sua missão, andando de lugar em lugar, tinha palavras a desconcertar a muitos, porque chegava ao fundo do coração, tocando, lá no interior, a vida das pessoas, sensibilizando-as.
Nosso Deus é solidário e próximo de seu povo; é um Deus comunhão que quer de verdade entrar na vida daqueles que abraçam a fé, buscam respeito, acolhida e compreensão solidária. É claro que Deus não nos fala como falou a Samuel, chamando-o diversas vezes pelo nome. Fala-nos de diversos e variados modos e circunstâncias, manifestando sua santa vontade. Em muitas ocasiões é preciso contar com o socorro de pessoas generosas, no discernimento à vontade de Deus. Veja o exemplo do pequeno Samuel, dirigindo-se a Eli, como nos ensina o Livro Sagrado.
Nossas celebrações litúrgicas devem estar de acordo com o ensinamento da Mãe Igreja, longe de ser um espetáculo espiritual. Ao contrário, que ela conduza a um sincero e profundo envolvimento, levando as pessoas a mergulharem no sagrado, no próprio Deus. Convencidos de que a eucaristia alimenta nosso chamado e nossa missão, tornando mais claro e evidente os nossos passos, chamados a dar uma resposta ao infinito amor de Deus para conosco. Amém!
*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza –geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

15 de novembro de 1889

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA