QUE...EM 2018

Grecianny Carvalho Cordeiro*

Eis que atravessamos mais um ano.
2018 chegou, ainda de soslaio, bem de mansinho.
Despontou no horizonte, através de uma chuva de queima de fogos, a chama da esperança.
De dias melhores. 
De um mundo melhor.
A virada do ano carrega um valor simbólico inimaginável, por mais resistente ou cético que alguém possa querer parecer ou demonstrar.
A transição para um novo ano representa a oportunidade de recomeçar, de fazer diferente, de fazer melhor, de corrigir aquilo que foi feito sem muito esmero, de se dedicar um pouco mais para obter o resultado desejado, de se reinventar, de tentar outra vez, inovando, ousando... 
E por falar em esperança... Para o novo ano que chega, nunca é demais desejar:
Que sejamos melhores, para nós mesmos, nos amando, nos cuidando mais, zelando pela nossa autoestima, focando nossa vida em bons pensamentos, na certeza de que as dádivas virão, especialmente em forma de amigos. 
Que haja menos violência em nossa cidade, em nosso país, no mundo inteiro, e que cada um de nós possa exercitar a tolerância e o respeito ao próximo, mesmo e quando pense diferente, mesmo e quando jamais comungue de nossos sentimentos, porque o que importa é o respeito à diferença.
Que tenhamos um país melhor, mais justo, em que as desigualdades sejam reduzidas, permitindo que cada brasileiro possa ter preservada sua dignidade, seu direito em ter uma moradia, uma alimentação adequada, assegurando-se-lhe os direitos mais elementares para o florescimento de uma sociedade menos cruel, por meio do direito à educação, à saúde, ao lazer...
Que nossos gestores sejam tocados e iluminados para a grandeza e a importância do papel que desempenham na construção de um país melhor, e que façam seu povo voltar a acreditar que ainda tem jeito, que podemos fazer bem melhor, que podemos aprender com os erros, que podemos voltar a ter orgulho de nossa história, de nossas instituições, de nossa gente, acreditando num futuro promissor.
Que a apatia, a descrença, o temor, o medo, o egoísmo, a maldade... Sejam as palavras menos proferidas... Sejam os sentimentos menos despertos... Sejam os gestos menos expressados em nosso cotidiano.
Que o amor, a solidariedade, a caridade, a compaixão, a decência, a moral, a honra, a lealdade, a bondade... Sejam as palavras de ordem no novo ano que chega.
Que nada nem ninguém seja capaz de abalar nossa fé, nossa esperança.
Se esqueci de algo, não é tarde, afinal, o ano mal começou. Ainda temos tempo.


*Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

Missão da Unesco faz primeira visita ao Museu Nacional

Bancário faz sua estreia como escritor

Adjetivando a vida