Pular para o conteúdo principal

Rubens de Azevedo: dez anos sem a boa prosa, as pinturas e a cultura

A imagem pode conter: 1 pessoa, área interna

Heliomarzio Moreira*

A data de hoje traz a lembrança da partida de um dos nossos grandes incentivadores na Astronomia. São dez anos sem a boa prosa, as pinturas e a cultura de Rubens de Azevedo.
Em 2009 publiquei uma pequena homenagem no Jornal O Povo contando um pouco sobre nosso mestre e amigo. O texto foi publicado no Ano Internacional da Astronomia. O ano em que o mundo inteiro fez da Ciência do Céu um tema mais próximo do grande público.
Mesmo fazendo nossos trabalhos de divulgação nos chamados nós locais, como eram chamados os lugares que coordenavam projetos de Astronomia, senti que faltava um brilho naquela constelação de divulgadores científicos.
Então, para que não passasse em branco em uma data tão a ver com ele, escrevi esse pequeno texto que não muito tempo depois foi publicado na Revista da Academia Cearense de Letras a pedido de Dona Noemi Elisa Aderaldo, ocupante da Cadeira de número 33 de tão honrada Instituição.
Na Internet os textos longos são pouco lidos, mas insisto em publicar esse:
Um ano sem o Caçador de Estrelas
O ano de 2009 será um grande marco na divulgação desta ciência: a Astronomia. Comemoram-se os 400 anos da utilização astronômica de uma luneta, pelo italiano Galileu Galilei, e também do livro Astronomia Nova, do alemão Johannes Kepler, quando lançou a lei das órbitas elípticas e a lei das áreas tão conhecidas dos estudantes de Física do Ensino Médio. Desde então, a Ciência do Céu não seria mais a mesma...
Mas, divulgar a astronomia sem lembrar um dos maiores incentivadores desta ciência em nosso país, torna-se incompleto. Rubens de Azevedo, o Amigo da Lua, certamente estaria vibrando com esta decisão da organização das Nações Unidas (ONU), escrevendo artigos e livros para animar a juventude a olhar para o Céu, como fez desde 1941, despertando o interesse pela ciência astronômica e encaminhando muitos jovens a serem hoje grandes cientistas no Brasil e exterior. Porém, o Caçador de Estrelas há um ano trocou o convívio dos amigos e discípulos pela eternidade.
Suas sementes foram plantadas. Fundou a mais antiga associação de astronomia do Brasil, a Sociedade Brasileira dos Amigos da Astronomia, em 26 de fevereiro de 1947 - a SBAA, hoje presidida pelo professor Dermeval Carneiro. E outras associações, clubes, planetários, organizou congressos nacionais e internacionais, escreveu mais de 800 artigos na imprensa nacional, livros de divulgação científica de grande circulação em todo o Brasil, realizou exposições de divulgação científica, fez descobertas importantes em algumas observações lunares. Sempre que podia, até o fim de sua vida, foi um batalhador incansável pela divulgação da ciência por que se apaixonara desde a infância.
Hoje, o Planetário Rubens de Azevedo, no Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura, é uma justa homenagem a quem tanto lutou pela divulgação de tão nobre ciência. Recebe também homenagem no Pavilhão Rubens de Azevedo, no Observatório Astronômico de Piracicaba, com telescópio de boa desenvoltura óptica e tecnológica, construído pelo amigo Nelson Travnik.
Com pouco mais de 86 anos, com melhoras e recaídas em sua saúde, veio a falecer no início da noite de 17 de janeiro de 2008, por insuficiência cardíaca. Seu sepultamento ocorreu no Cemitério São João Batista.
Mestre
Muito do que se faz hoje em dia na divulgação da astronomia tem a contribuição de Rubens de Azevedo. Quer seja na SBAA, no Clube de Astronomia de Fortaleza (CASF), ou outro dos clubes nascidos da SBAA, no Planetário (um sonho realizado em vida), em escolas de Fortaleza ou através dos divulgadores científicos da atualidade, a nova geração, que não esqueceu os ensinamentos e orientações de seu mestre, que passa adiante a didática e métodos de ensinar astronomia a nível popular, como fazia o mitológico Prometeu, trazendo o fogo dos deuses aos mortais, deixando um pouco do Vírus Azevedo, o vírus da astronomia, a contaminar com sua poesia e encantamento a todo aquele que desejar olhar para o céu e perguntar... Rubens era assim: um homem que perguntava.
Publicação feita em 2009 no Jornal O Povo e na Revista da Academia Cearense de Letras (pág. 253 e 254, Ano CXIV – N. 70 – 2009).
*Professor de Astronomia e membro da PASCOM (Pastoral da Comunicação) da paróquia de Santo Afonso - Parquelândia, Fortaleza - Ceará.
Foto: Rubens de Azevedo em seu escritório no ano de 1947.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…