Pular para o conteúdo principal

'A Cura Mortal', último filme da franquia que começou com Maze Runner

'Maze Runner: A Cura Mortal' foi produzido dois anos depois do sucesso de Hunger Games, ou Jogos Vorazes, em 2012, e lembra o futuro distópico do mesmo.
Cena do filme
Cena do filme "Maze Runner: A Cura Mortal". (Divulgação)

Por Daniel Bydlowski
Maze Runner: A Cura Mortal é o terceiro e último filme da franquia que começou com Maze Runner - Correr ou Morrer em 2014. Este último foi produzido dois anos depois do sucesso de Hunger Games, ou Jogos Vorazes, em 2012, e lembra o futuro distópico do mesmo.
Tudo começa quando um jovem de 16 anos chamado Thomas (Dylan O'Brien) acorda em um elevador enferrujado que nos alerta imediatamente sobre os perigos que estão por vir. Para piorar a situação, ele não se lembra de nada, nem mesmo de quem é. Quando sai deste elevador, e se vê em uma espécie de ilha, Thomas então é recebido por jovens como ele, que explicam que, neste lugar, todos apenas lembram de seus respectivos nomes, mas não de sua vida passada.
O único modo se sair do lugar, porém, é por um labirinto de altíssima tecnologia que contém armadilhas mortais, incluindo os grievers, um tipo de criatura meio orgânica e meio sintética que existe para atacar os garotos. Tudo muda quando a primeira garota aparece no grupo, também vinda do elevador como Thomas. Teresa, diferentemente dos outros, lembra de Thomas, mesmo que este não a reconheça primeiramente.
A garota também possui dois antídotos contra o veneno dos grivers, usando um para salvar um garoto que havia sido “picado” por um. É então que o labirinto solta ainda mais dos monstros para aterrorizar os garotos, matando alguns. Enquanto o restante do grupo acusa Thomas e Teresa de provocarem as criaturas, Thomas começa a lembrar de sua vida antiga em uma cena frenética e tensa.
Todos os garotos eram cobaias em um experimento e tanto Thomas como Teresa trabalhavam para a companhia WICKED, que está por traz da situação atual de todos. Enquanto isto causa muitas brigas e transtorno entre os dois protagonistas e o resto do grupo, também encoraja todos a finalmente resolverem o labirinto e sair do lugar. E é isto o que fazem, até chegarem em um laboratório cheio de corpos e descobrirem que estão sendo estudados como um modo de encontrar a cura para um vírus chamado Flare, que dizimou muitos. É aqui também que Ava Paige (Patricia Clarkson) aparece, indicando que, surpreendentemente, o experimento foi um sucesso e os jovens somente passaram para a sua segunda fase.
No segundo filme de 2015, Maze Runner: Prova de Fogo, vai muito além do estilo prometido pelo primeiro filme e inclui até mesmo zumbis (os que foram afetados pelo vírus Flare) no enredo. Com um estilo mais expansivo e trama complicada que não oferece muito mistério, o filme foi bem recebido. A revelação mais importante deste é que, embora os garotos são imunes ao vírus, não é possível fabricar seus anticorpos. Ao contrário, a cura depende dos próprios corpos dos garotos, mostrando que a empresa que busca a cura não deixará os jovens em paz.
É nesta interessante dinâmica de relativo sucesso no primeiro filme e fracasso no segundo que Maze Runner: A Cura Mortalaparece. Porém o longa mantém um pouco do enredo complicado e sem mistério do segundo. É como se a franquia tenha decidido mudar de produções de ficção científica baseada no mistério, para uma baseada na ação. Mesmo assim, há diversos pontos positivos.
Por exemplo, enquanto a traição de alguns personagens surpreendia nos filmes passados (como a traição de Teresa, que começa a ajudar a WICKED), agora tem seu ponto de vista explicado. Assim, os personagens e o filme ganham mais complexidade. Fica mais difícil determinar quem é bom e quem é ruim, ou ainda qual lado o espectador iria escolher se estivesse no universo da franquia.
Além disso, mesmo que o filme não tenha o mistério dos outros, a ação consegue entreter. Porém, mais importante, muitas cenas são emocionantes e irão agradar os fãs, finalmente trazendo um desfecho para a aqueles que pacientemente esperavam por um.

LC Agência de Comunicação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …