Candidata surda é aprovada em 1º lugar no Mestrado em Serviço Social da Uece

O Mestrado Acadêmico em Serviço Social, Trabalho e Questão Social (MASS) da Universidade Estadual do Ceará (Uece) prepara-se para receber sua primeira aluna surda. A candidata Mariana Marques da Hora foi aprovada em primeiro lugar no processo seletivo do semestre 2018.1.
Atualmente coordenado pela professora Liana Brito, o MASS foi criado em 2011 e já formou 43 mestres. "Praticamente 100% dos profissionais já estão inseridos no mercado de trabalho. A maioria, no ensino superior", ressalta a coordenadora. "Além desses temos os alunos matriculados, dentre os quais 15 estão em fase de conclusão", finaliza.
O vice-coordenador, Estenio Azevedo, fala sobre essa primeira experiência com uma candidata surda nos quase sete anos do curso. "Nesse processo inicial encontramos acolhimento institucional. O reitor Jackson Sampaio nos acolheu para pensar e discutir as questões, o Centro de Humanidades nos disponibilizou seu professor intérprete para acompanhar Mariana em todas as fases necessárias, além do apoio recebido do Centro de Ciências Sociais Aplicadas", disse o docente.
Assistente Social pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Mariana Hora conta sobre a dificuldade de participar de eventos relacionados à sua área de estudo e da satisfação em encontrar na Uece a oportunidade que faltava.
"Sempre que possível procuro participar de eventos relacionados com o Serviço Social, quando tem acessibilidade, o quê não é fácil (...). Agora, na Uece, além de ter direito ao intérprete de Libras nas aulas e nas demais atividades acadêmicas, pela primeira vez, terei um professor orientador que se comunica em Libras e também faz parte da comunidade surda, então, a expectativa é que seja uma experiência muito rica", comemora Mariana.
Seu orientador será o vice-coordenador do curso, Estenio Azevedo, que possui conhecimento básico da Língua Brasileira de Sinais (Libras), trabalhará com Mariana o tema de sua dissertação: "O Direito de Acesso à Justiça das Pessoas Surdas: Análise crítica da acessibilidade comunicacional e atitudinal no Poder Judiciário".
"Quero usar a experiência acadêmica para contribuir socialmente com a comunidade surda e, também, me aperfeiçoar profissionalmente, através das pesquisas e atividades a serem desenvolvidas e divulgadas, principalmente no que se refere ao acesso à Justiça pelas pessoas surdas", revela a recém-aprovada no MASS.
Estênio Azevedo fala ainda do desafio e da oportunidade que a experiência trará para o curso. "É um desafio, mas ao mesmo tempo algo que permitirá construir mais condições de acesso, acessibilidade e o rompimento das barreiras, sejam elas linguísticas, atitudinais e de comunicação, que precisem ainda ser superadas".
A Uece possui atualmente, pelo menos, mais dois alunos surdos em seus programas de pós-graduação. Eles fazem parte do Mestrado Acadêmico em Filosofia (CMAF) e do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada (PosLA), ambos vinculados ao Centro de Humanidades (CH).

UECE

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado