Pular para o conteúdo principal

E O CRIME SE ORGANIZOU

Grecianny Carvalho Cordeiro*

Crime organizado não é coisa nova. Sempre existiu e sempre existirá.
Exemplos não faltam. Podemos citar Al Capone, o famoso gângster americano que contrabandeava e comercializava bebidas na época em que vigorava a lei seca nos Estados Unidos.
Existe crime organizado relacionado ao tráfico de drogas e de armas, ao tráfico de pessoas e de órgãos, à lavagem de dinheiro... O que diferencia a criminalidade organizada de outro tipo de criminalidade é a sua forma de atuação, estruturada como se fora uma empresa, onde cada componente exerce um determinado papel, com divisão de atribuições, tendo por objetivo a obtenção de vantagens por meio do cometimento de crimes. Logo, não estamos falando aqui de amadores, mas sim de criminosos altamente perspicazes.
A criminalidade organizada se caracteriza, também, por possuir braços nos mais diversos espaços, na esfera privada e pública, esta última, por sua vez, imprescindível ao sucesso de qualquer empreitada criminosa, garantindo ao criminoso estar sempre adiante, sempre um passo à frente daquele que poderia detê-lo: o Estado.
Acontece que, há algum tempo, vem surgindo um tipo de criminalidade organizada bem diferente daquela até então existente: a nascida no interior dos presídios, por meio da união de presos – às vezes por meio de um pacto de sangue – os quais juram lealdade aos “mandamentos” de sua respectiva facção, encarregada de protegê-los no interior dos estabelecimentos penais, e de prestar auxílio à sua família, do lado de fora dos muros da prisão.
A imagem pode conter: texto
O fato é que a massa carcerária que superlota os presídios brasileiros se uniu, se organizou; cooptou novos adeptos e simpatizantes; arrecada dinheiro necessário à sua manutenção através do pagamento de “estadias” dos presos ou de financiamento para o cometimento de crimes extramuros ou de gerenciamento das “bocas de fumos”; agentes públicos estão em suas folhas de pagamento...
E vem as chacinas, os massacres, as rebeliões, as fugas, as mortes de policiais.
O cidadão assiste atônito à ocupação das ruas, dos bairros, das cidades, pelas facções que imprimem seus selos nas paredes e determinam o toque de recolher.
O Estado se mantem impávido e colosso, incapaz de reconhecer que falhou. E continua errando ao negar o óbvio.
O crime se organizou e vem ganhando espaço a cada dia.
Talvez seja a hora de o Estado ter humildade e reconhecer que errou para que, mais tarde, não possa dizer que perdeu.


*Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …