Estudantes do IFCE apresentam espetáculo

Image-0-Artigo-2363122-1
O dramaturgo Eugène Ionesco, referência do chamado Teatro do Absurdo: um de seus textos clássicos, "A Cantora Careca", foi escolhido para ser adaptado em montagem de mais uma turma da Licenciatura em Teatro do IFCE
Eugène Ionesco é um dos grandes representantes do teatro do absurdo e sua peça teatral "A Cantora Careca", um clássico do gênero, considerada a primeira obra dessa corrente. Escrita em 1949, a peça estreou pela primeira vez em 11 de maio de 1950 e tem cerca de 477 versões cênicas conhecidas.
Agora, a obra escrita pelo dramaturgo romeno será interpretada em Fortaleza pelos alunos da 25º turma do curso de licenciatura em Teatro do Instituto Federal do Ceará (IFCE), nesta sexta-feira (16) e sábado (17), encerrando a temporada nos dias 23 e 24 de fevereiro, na Escola Porto Iracema
Sob direção da aluna Vitória Mota e orientação do professor Danilo Pinho, o espetáculo se trata de um processo pedagógico e o projeto tende acabar com o final do semestre, por isso as apresentações serão únicas, com entrada franca.
O elenco é composto pelos alunos Catarina Viana, Gislene Furtado, Xaday Moreira, Felipe Hélder, Wendel Generoso, Rafaelle Santhiago, Vitória Mota e Kleberson Alberto.
O espetáculo traz diálogos absurdos que levam a uma total impossibilidade de comunicação entre os seus personagens e mostra ao público o distanciamento e a frieza do ato de comunicar dessas pessoas.
A história passa-se no interior da Inglaterra e mostra o cotidiano de dois casais, os Smith e os Martim, e da empregada Mary, no período pós-guerra. Entre conversas banais que não fazem sentido até palavras desarticuladas que se limitam a sons, a peça vai acontecendo e chega a um clima crescente de violência.
"A estética desse gênero é trazer o humano isolado, que mesmo juntos em um lugar, sentem-se sozinhos. Ao usar o humor sarcástico, os textos dessa época trazem como mote a solidão, mostram o ser humano como uma criatura que não consegue interagir. 'A Cantora Careca' traz essa crítica, a ruptura do homem com o diálogo", explica Danilo Pinho, orientador da turma de teatro.
Gênero
"A intenção desse espetáculo não foi trazer questões sociais/políticas atuais, mas levar o público para outro universo, trazer a plateia pra dentro dessa casa, dentro desse jantar. A gente constrói um universo paralelo para as pessoas. Não como uma fuga, mas um convite para que eles entrem naquele lugar e por alguns minutos só tomem chá com os personagens", pontua a aluna e diretora Vitória Mota.
A peça está dentro da categoria do Teatro do Absurdo, gênero que tem alguns autores icônicos - como Samuel Becker e mais uma galeria enorme de dramaturgos e escritores que surgiram após a Segunda Guerra (1939-1945), que usaram dessa experiência trágica para criarem textos.
O Teatro do Absurdo teve influência do drama existencialista e se originou a partir do Surrealismo - movimento literário e artístico da década de 20, representado por nomes como o francês André Breton, e que se caracteriza pela expressão espontânea e automática do pensamento. Alfred Jarry surge como inaugurador desta tendência. Já sua denominação é atribuída ao crítico norte-americano Martin Esslin.
No século XX, o Teatro do Absurdo teve a contribuição de nomes como o já citado irlandês Samuel Beckett, o inglês Harold Pinter, os franceses Artand e Jean Genet, o espanhol Fernando Arrabal e, é claro, de Eugène Ionesco. Este popularizou técnicas surrealistas e rejeitava a estrutura lógica - não costumava desenvolver seus personagens mais a fundo, principalmente na dimensão psicológica.
"Eugène traz a realidade daquele período, onde as pessoas não tinham uma boa comunicação nem com elas mesmas, nem com os outros e nem com o mundo. Você meio que era obrigado a criar uma realidade paralela para passar por cima daquilo (o pós-guerra) e esse texto traz muito isso. Esses personagens criam seu próprio lugar", afirma Vitória.
Para a estudante, o texto de Ionesco "não faz a plateia gargalhar, nem ri só das personagens, mas de você mesmo. O absurdo é justamente isso, é algo que você se distancia, acreditando que aquilo não acontece, que não está presente, quando na verdade é tudo que você vem fazendo o tempo todo".
Processo criativo
Os professores do curso sempre se alternam entre montagem e orientação. Neste ano, o responsável pela orientação da turma é Danilo Pinho.
"Ajudo na orientação do processo criativo. Cabe a mim deixá-los livres para criarem a dramaturgia. Os próprios alunos escolhem quem vai dirigir, e esses escolheram Vitória. Fica sob sua responsabilidade a escolha do arranjo", ressalta Danilo.
O grupo se reuniu por vários dias e todos levaram textos de suas preferências, de vertentes diferentes. Mas desde o começo já estava bem definido que a turma iria adotar algo que enveredasse pelo lúdico, pelo realismo fantástico.
Entre textos como o de "Alice no País das Maravilhas", de característica fantástica e voltado para um mundo lúdico, o grupo mudou sua vertente, enveredando para o teatro do absurdo, de autores como Ionesco e Beckett.
"Não estávamos encontrando uma unicidade para falar sobre ludicidade, sobre quimera, sobre esse realismo fantástico, então resolveu-se falar sobre esse teatro do absurdo e era uma vertente com a qual boa parte da turma se identificava", confirma Catarina Viana, uma das atrizes.
"Nesse processo abortamos diversos textos e optamos por algo que nos desse a possibilidade de fugir do real, do cotidiano. Assim, o texto escolhido foi o de Eugène", comenta Vitória Mota. "Como orientador tenho como missão diagnosticar as possibilidades daquela turma, observar as lideranças e descobrir os talentos. Sou apenas um provocador do processo, para que quando eles saiam do curso tenham liderança, uma maior independência e autonomia no mercado profissional", finaliza o professor-orientador.
Vivências
Como o curso é voltado para o magistério, para formação de um professor em artes cênicas, o curso prepara os alunos para a sala de aula e por isso há poucas cadeiras voltadas para práticas teatrais, se comparadas a um curso técnico.
"Vivemos sempre nesses dois caminhos, de atores e professores. Essa disciplina nos dá a oportunidade de vivenciarmos uma montagem de um espetáculo grande", explica Vitória. "Começamos a entender melhor como funciona o cenário teatral em Fortaleza".

Mais informações:
Espetáculo "A Cantora Careca". Nesta sexta-feira (16) e sábado (17) e nos dias 23 e 24, às 19h, no Porto Iracema das Artes, (R. Dragão do Mar, 160, Praia de Iracema). Gratuito. Contato: (85) 3219.5865

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões

Capela revestida por milhares de ossos é ponto turístico excêntrico em Portugal