Instituto Myra Eliane doa 1.500 livros às bibliotecas públicas de todo o Estado


O secretário de Cultura do Estado, Fabiano Piúba, ao lado de Igor Queiroz Barroso, e crianças durante a solenidade de entrega dos livros ( Foto: Natinho Rodrugues )
Bibliotecas públicas e escolares de todo o Estado passaram a contar com duas importantes obras da literatura local, responsáveis por contar a história e a cultura do Ceará. Em uma parceria entre o Grupo Edson Queiroz e o Instituto Myra Eliane, entidade sem fins lucrativos voltada para a educação, os equipamentos receberam, ontem (26), 1.500 exemplares dos livros "O Cearense", do autor Parsifal Barroso, e "Olga Barroso - Na Vanguarda da Vida", do escritor e historiador Juarez Leitão.
A doação foi celebrada em evento na manhã dessa segunda-feira, na Biblioteca Pública Espaço Estação, em Fortaleza. Mais de 200 equipamentos e acervos de escolas do Estado utilizarão as obras para incentivar a leitura e disseminar conhecimento sobre as origens do Estado.
Segundo Igor Queiroz Barroso, diretor institucional do Grupo Edson Queiroz e presidente do Instituto Myra Eliane, a entrega dos livros faz parte do trabalho realizado desde o ano passado de resgate das obras. "O Cearense", publicado originalmente em 1967, ganhou, em 2017, uma nova edição. Escrito por Parsifal Barroso, que possuiu ampla atuação política no Estado, inclusive na função de governador, o ensaio traz uma análise sobre os traços do povo local. Já a biografia "Olga Barroso - Na Vanguarda da Vida", lançado no ano passado, revela a trajetória da ex-primeira-dama do Ceará e esposa de Parsifal, que tornou figura feminina de destaque na política e na sociedade cearense.
Igor Queiroz ressalta que, com a doação dos exemplares, estudantes e pesquisadores poderão conhecer novos personagens da história do Ceará. "Estamos celebrando a doação desses 1.500 exemplares, resgatando a história do nosso povo e colaborando para que crianças, jovens e adultos conheçam nossas origens e se espelhem em pessoas que foram exemplo de cidadania e dedicação à nossa terra", salientou Barroso.
Incentivar
O diretor institucional do Grupo Edson Queiroz e presidente do Instituto Myra Eliane afirmou, ainda, que a ação também tem por objetivo aumentar o acesso à leitura e incentivar o hábito entre pessoas de todas as idades. "Ler um livro não é simplesmente transportar-se para o mundo da imaginação, mas é educar-se, conhecer o passado para compreender o hoje e buscar melhorias para o futuro", destacou.
O secretário de Cultura do Estado, Fabiano Piúba, frisa que as obras passam a fazer parte do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas, que conta com equipamentos do Estado, dos Municípios e comunitários. Para o gestor, as duas obras fazem diálogo com a Educação, uma vez que ajudam os leitores a compreenderem os contextos históricos que retratam. "São obras importantes pra conhecer a natureza das origens culturais do Estado e destacam o papel da 'cearensidade'", diz.
Biblioteca pública
Piúba revela que os dois livros terão destaque na seção voltada para a literatura cearense na Biblioteca Pública Governador Menezes Pimentel, principal equipamento do Sistema Estadual de Bibliotecas.
Em reforma desde abril de 2015, o espaço deve ser reaberto no mês de julho. "Concluímos a reforma e estamos na fase de implantação de mobiliário e equipamentos. E essas obras devem ganhar destaque para serem difundidas melhor não só na biblioteca, mas também nas escolas públicas", explicou o secretário de Cultura do Estado, Fabiano Piúba.
Fique por dentro

Parsifal e Olga Barroso marcaram a sociedade

Parsifal Barroso nasceu em Fortaleza, no ano de 1913. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, governou o Estado entre 1959 e 1963 e atuou como senador, ministro e deputado em duas ocasiões. Trabalhou, ainda, como advogado, professor e jornalista. Além de "O Cearense", publicou as obras "Pedro, nosso irmão", "Na Casa do Barão de Studart", "Um francês cearense" e outras.
Olga Barroso nasceu em Sobral, filha do Coronel Chico Monte, líder político da região Norte no início do século XX. Enquanto primeira-dama, casada com Parsifal Barroso, desenvolveu trabalhos de relevância para a sociedade, como a criação da Sociedade de Amparo à Criança Cearense. Também estimulou a implantação de cursos de Pediatria e Prática Obstetrícia para a formação de cuidadoras e parteiras, colaborou para a construção do Hospital Infantil Albert Sabin e comandou a Legião Brasileira de Assistência (LBA).

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado