Literatura 2.0

Editora Globo
História sem fim: para Willy Chyr, bom mesmo seria se o livro não terminasse nunca //Crédito: Divulgação
O verbo “compartilhar” ganhou outra dimensão com a internet. De slogan de banco à botão do Faceboook, a palavra tem sido tão utilizada que seu significado nem é mais levado em conta. Tornou-se a pior coisa que pode acontecer com uma palavra: o famoso clichê. 

Normalmente, compartilhamos algo que já está pronto. Uma música, por exemplo. O artista produz, alguém coloca na rede e todos nós podemos ouvir a mesma canção, em diversas partes do mundo. Mas e se o processo criativo também fosse compartilhado? Foi nisso que o artista Willy Chyr pensou ao criar o site Collabowriters.com 

Como o próprio nome sugere, a ideia da iniciativa é criar um romance absolutamente colaborativo. Ao se inscrever no site, você se transforma em uma romancista em potencial. Com um limite de 140 caracteres, o usuário posta uma frase para continuar a trama. Com um simples sistema de votação, a sentença eleita automaticamente entra no romance. Uma frase de cada vez. 

O conceito do projeto mexe com muitos paradigmas, mas o principal deles é a subversão da idéia de propriedade intelectual. “Se uma história aparecer, quem será o dono dela? Todo mundo ou ninguém?” pergunta Willy, o jovem de 24 anos responsável pelo site. Em entrevista concedida por e-mail, ele conta que seu único trabalho foi escrever a primeira frase da história: “Era uma noite escura e chuvosa”. E até ela só entrou porque foi votada pelo público. 

E aí? Topa escrever um livro em parceria com o resto da internet?

Como surgiu a idéia para o Collabowriters? Você já tinha ouvido falar de algo parecido? 

Willy Chyr: Eu também sou escultor e muito do meu trabalho é focado em um proecesso repetitivo que gera formatos complexos. A idéia do site é bem parecida. O processo de postar frases e votar é repetido múltiplas vezes. Não há uma direção definida, mas ainda assim a história surge. 

Já ouvi falar de projetos semelhantes. O Sydney Morning Herald fez um romance colaborativo chamado "O Colar", no qual os leitores escreviam um capítulo inteiro. Isso era tecnicamente crowd-sourcing, mas eu senti que o conceito não estava sendo aproveitado ao máximo: os editores ainda estavam fazendo as decisões finais e a curadoria do livro. Eu queria levar a idéia um passo adiante, de modo que a história fosse escrita e editada por todos juntos, sem uma única pessoa guiando o curso de seu desenvolvimento.

Como o site funciona? 

Willy Chyr: O romance é escrito com uma frase de cada vez. Qualquer um pode postar sua sugestão, que deve ter até 140 caracteres. Os usuários votam em cada frase, podendo escolher entre duas notas: +1 ou -1. Assim que a sentença obtiver 5 pontos, entra no romance e avançamos para a próxima frase. Atualmente, temos mais de 200 colaboradores. 

Você tem idéia de quando a história deve terminar? 

Willy Chyr: Não tenho idéia. Imagino que, em algum momento, vai fazer sentido que a história termine, alguém vai postar “Fim” e a frase será eleita. De qualquer forma, eu adoraria que a história continuasse indefinidamente.

Qual tem sido o enredo da história, por enquanto? 

Willy Chyr: Aparentemente, é uma ficção científica pós apocalíptica sobre um viúvo chamado Zachary, que, a pedido do pai, saiu para comprar remédios para sua madrasta. 

O conceito de direito autoral é contestado com esse projeto. Isso foi de propósito? 

Willy Chyr: Sim. Parte de minha motivação foi questionar o senso comum que rege o pensamento sobre direito autoral e propriedade. Se uma história surgir, quem será seu dono? Todo mundo ou ninguém? O sistema de copyright atual é falho e impede o progresso. 

Ficou curioso? É só entrar no site e se inscrever.  

Fonte: http://revistagalileu.globo.com

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

José, servo bom e fiel

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões