“Monstro É Aquele Que Não Sabe Amar"!

Grecianny Carvalho Cordeiro*
Diz a canção que “quem não gosta de samba, bom sujeito não é, é ruim da cabeça ou doente do pé”. Mas isso vale para quem nasceu com o samba e com ele se criou. 
Gostando ou não, de samba ou de carnaval, não se pode ignorar a beleza das letras dos enredos vencedores do Carnaval carioca de 2018.
“Monstro É Aquele Que Não Sabe Amar (Os Filhos Abandonados da Pátria Que Os Pariu”, da Beija-Flor de Nilópolis, bem retrata a triste realidade do massacrado povo brasileiro, carente, espezinhado, mas que não deixa de sonhar com a luz redentora, a libertá-lo de tanto sofrimento. 
Um país cantado e retratado em letra de samba canção: “Ganância veste terno e gravata/Onde a esperança sucumbiu/Vejo a liberdade aprisionada/Teu livro eu não sei ler, Brasil!/Mas o samba faz essa dor dentro do peito ir embora/Feito um arrastão de alegria e emoção o pranto rola/Meu canto é resistência/No ecoar de um tambor/Vêm ver brilhar/Mais um menino que você abandonou”.
E arremata: “Oh pátria amada, por onde andarás?/Seus filhos já não aguentam mais!/Você que não soube cuidar/Você que negou o amor/Vem aprender na beija-flor”.
A vice-campeã, a escola de samba Paraíso do Tuiuti, canta outra pérola: “Meu Deus, Meu Deus, Está Extinta a Escravidão?”.
Fala sobre uma escravidão que não tem cor, a escravidão social que tira dos brasileiros a dignidade, a honra, a esperança de um futuro melhor. Não importa quem somos, o que fazemos, somos homens e mulheres com o sangue avermelhado a escorrer pelas veias, tentando sobreviver com um prato de feijão com arroz.
A imagem pode conter: texto
“Irmão de olho claro ou da Guiné/Qual será o seu valor? Pobre artigo de mercado/Senhor, eu não tenho a sua fé e nem tenho a sua cor/Tenho sangue avermelhado/O mesmo que escorre da ferida/Mostra que a vida se lamenta por nós dois/Mas falta em seu peito um coração/Ao me dar a escravidão e um prato de feijão com arroz”.
Num país democrático, em que a liberdade é pilar fundamental, somos escravos acorrentados pelos feitores (gestores) que só contribuem para aumentar a desigualdade social, a violência, a corrupção...
E num jogo de palavras que é pura poesia, declama: “E assim quando a lei foi assinada/Uma lua atordoada assistiu fogos no céu/Áurea feito o ouro da bandeira/Fui rezar na cachoeira contra bondade cruel”.
Por fim, em veemente recusa a qualquer forma de escravidão, implora: “Meu Deus! Meu Deus!/Seu eu chorar não leve a mal/Pela luz do candeeiro/Liberte o cativeiro social”.
 
*Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado