Museu da Fotografia Fortaleza abre as portas para o projeto "Pau de Arara", sobre tradições nordestinas



Já são 13 anos de projeto e dez edições. "Pau de Arara" é um programa de extensão idealizado e coordenado pelo professor de fotografia dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Universidade de Fortaleza (Unifor), Jari Vieira. Criado em 2004, visa documentar a cultura de cidades pelo Interior do Nordeste.
Neste sábado (3), às 14h, o Museu da Fotografia Fortaleza recebe Jari para uma palestra gratuita. Na ocasião, o público irá descobrir como funciona o projeto, além de ver algumas fotos produzidas na última edição. Haverá também a exibição de um documentário inédito sobre a região do Cangaço.
Para o terceiro documentário, o grupo fez o percurso de Serra Talhada a Triunfo, em Pernambuco, fazendo a rota do cangaço, culminando na casa de Lampião. Com duração de 22 minutos, o produto audiovisual, além de mostrar a cultura local, acompanha os estudantes entrando em contato com essas tradições.
"É muito gratificante conseguir, através da fotografia, que o aluno perceba a importância de estudar essas culturas e que se reconheçam nelas", afirma Jari Vieira.
O grupo já levou o prêmio de Melhor Fotografia Artística no Expocom - Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação, em 2016 e 2017. Nesta última edição a fotografia premiada foi a da aluna Iara Maria Pereira, "O Atabaque de Ogã", tanto na edição regional como na nacional.
Desde 2016 o grupo aposta na produção audiovisual com os documentários. O primeiro foi realizado na região da Serra da Capivara; o segundo, na cidade de Exu (PE).
Extensão
Por meio das imagens e vídeos, o projeto "Pau de Arara" mostra a diversidade que existe na cultura local. Os alunos que participam ganham a oportunidade de ter uma vivência importante, que levarão para toda a vida após o término da faculdade.
Ao longo dessa década o projeto já passou por mais de 15 cidades e três estados - Ceará, Pernambuco e Piauí -, e tem na conta mais de 400 fotografias.
Em Assaré (CE), por exemplo, o objetivo era conhecer mais sobre o poeta Patativa; em Nova Olinda (CE), o trabalho se desenvolveu em torno do artesão Expedito Seleiro; e em Exu, mergulhou na vida e obra de Luiz Gonzaga, o rei do Baião.
O grupo de extensão teve início em 2004, começando sua trajetória percorrendo o centro de Fortaleza, conhecendo as praças principais da cidade. "Passamos dois anos fazendo a versão do Centro e foi quando a coordenação do curso começou a se envolver mais no projeto e demonstrei o interesse de ir para cidades próximas", explica Vieira.
As cidades escolhidas para a nova empreitada, em 2006, foram: Redenção - berço da libertação dos escravos no Ceará e no Brasil - e Canindé, cidade reconhecida pela sua tradição religiosa. "Depois sugeri um local que pudéssemos passar mais de um dia, pois quanto mais tempo você passa, mais coisa consegue absorver", comenta.
A partir de 2015 o grupo consolidou suas excursões para mais longe, começando pela região do Cariri, passando por Juazeiro do Norte, Crato e Barbalha. "Tenho como objetivo principal formar profissionais que reconheçam e valorizem seu lugar. Se a gente não valorizar, não é alguém vindo de fora que irá fazer isso", aponta o professor.
No centro
O nome "Pau de Arara" vem do tradicional transporte usado no Nordeste, bem conhecido pelos sertanejos e romeiros que recorrem a ele para atravessar a terra árida do sertão.
O termo foi escolhido para homenagear o Nordeste logo no nome, já que se tratava de um projeto que tinha como cerne a valorização do povo da região.
Nascido em Juazeiro do Norte, Jari Vieira vê desde criança as tradições populares de perto. A ideia de criar o grupo veio da vontade de fazer com que os alunos vissem e estudassem o que estava próximo deles. "Via que eles sabiam muito sobre a Torre Eiffel, de Paris e do Big Bang, na Inglaterra, mas não entendiam nada sobre o Padre Cícero e literatura de cordel", justifica o professor.
Criado para os cursos do departamento de Comunicação Social da Unifor - Jornalismo e Publicidade e Propaganda - o projeto acontece uma vez por semestre e hoje atende sete cursos diferentes da casa. As viagens e hospedagens são bacanas pela própria instituição.
"Espero que esse aprendizado fique neles, que levem para a vida. Que entendam que toda a cultura do Nordeste é muito rica, mesmo sofrendo com a seca e as intempéries", finaliza Jari.

Mais informações:
Palestra "Pau de Arara". Neste sábado (3), às 14h, no Museu da Fotografia Fortaleza (R. Frederico Borges, 545, Varjota). Gratuito. Inscrições: (sympla.Com.Br). Contato: (85) 3017.3661

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado