O 'menino' Helder

Geovane Saraiva*

Não podemos esquecer jamais o menino Helder, nascido há 109 anos, aos 7 de fevereiro de 1909, em Fortaleza, onde cresceu brincando de celebrar missa e, ao receber o conselho do pai, quando soube que queria ser padre, escutou dele: "Meu filho, você sabe o que é ser padre? Lembre-se de que padre e egoísmo nunca podem andar juntos. Padre tem que se gastar e se deixar devorar". Dom Helder toma a decisão de ir para o Rio de Janeiro em 1936 e Dom Manoel da Silva Gomes, seu arcebispo, ao saber do desejo do jovem padre, assim se expressou: "Meu filho, é Deus, é Deus que está lhe chamando para o Rio de Janeiro. Vá, meu filho! Vá!". O encontro de Dom Helder Câmara com Dalai Lama - dois grandes pacifistas - no Rio de Janeiro, em 1992, bem que nos ajuda a refletir e pensar na boa semente plantada no coração do povo de Deus pelo Artesão da Paz no século XX, numa longa estrada: 1909 a 1999. Diante dos sinais de morte e tribulações, pelos quais passa a humanidade, Dom Helder quer mexer com nossa insensibilidade e indiferença: "Que sementes desejo espalhar pela Terra? Sementes de paz, de amor, de compreensão e de esperança. Há tanto desespero, desengano, decepção, frustração e desesperança! Sementes de esperança chegariam em boa hora". Dom Helder, criatura humana de Deus, "queria ser uma humilde poça d'água, para refletir o céu". Dentro de uma grande visão pedagógica, na luta pela paz no mundo, deixou-nos a lição da utopia do reino de Deus: "Quando se sonha no isolamento, é só um sonho, mas, quando o sonho é em comunidade, já é começo de uma nova realidade". Amém!

*Padre e jornalista

Comentários

Mais Visitadas

José, servo bom e fiel

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Nossos escritores

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019