Quase 50 festivais de música se comprometem com igualdade de gênero

Os festivais no Canadá estão bem representados nesta lista, incluindo a Canadian Music Week em Toronto.
Os festivais no Canadá estão bem representados nesta lista, incluindo a Canadian Music Week em Toronto. (Reprodução)
Quarenta e seis festivais de música do mundo se comprometeram nesta semana a aumentar a igualdade de gênero em sua programação antes de 2022, em um momento em que a falta de reconhecimento das mulheres no setor do entretenimento é alvo de debate.
"Espero que seja o começo de uma indústria mais equilibrada que traga benefícios para todos", declarou Vanessa Reed, diretora da PRS Foundation, uma fundação britânica de apoio a iniciativas musicais que lidera a campanha.
Estes 46 festivais, na Europa e nos Estados Unidos, se comprometeram que seus "headlines", júris e suas comissões estejam compostos por, ao menos, 50% de mulheres.
Oito festivais já haviam feito isto anteriormente, entre eles Iceland Airwaves, Reykjavik Rock and Electro Festival e The Great Escape em Brighton, no Reino Unido.
Trinta e oito festivais se uniram à iniciativa. Na França, integraram a iniciativa o Gilles Peterson's Worldwide Festival de Sète e o Midem, um importante evento anual para a indústria da música. Também se somaram o BBC Proms, um festival de verão de música clássica de Londres, e a A2IM, uma associação americana de música independente em Nova York.
Os festivais no Canadá estão bem representados nesta lista, incluindo a Canadian Music Week em Toronto.
Mas a iniciativa de gênero não inclui muitos dos festivais de música mais famosos, que muitas vezes apresentam apenas homens como "headlines".
O Coachella, por exemplo, o festival americano mais famoso, tem somente uma mulher, Beyoncé, entre os três "headlines", em abril. E nenhuma mulher esteve entre os três principais nomes do Glastonbury em 2017, que é realizado a cada dois anos.
A campanha surge em um contexto em que cada vez mais surgem vozes para denunciar o sexismo institucional na indústria do entretenimento e em outros setores culturais.
Várias mulheres do mundo da música expressaram sua indignação depois que Neil Portnow, presidente da Academia americana de Gravação, que organiza o Grammy, disse que as artistas deveriam "dar um passo à frente" para aumentar sua presença entre os premiados.

AFP

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

José, servo bom e fiel

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões